2.11.04

Reciprocidades

Sempre gostei do eco: de ouvir os chamamento, devolvidos e multiplicados, parecendo outras vozes, como se de muitos amigos se tratassem. Amigos aliados, de pés bem assentes no granito e no chão (apesar de às vezes voarem inesperadamente por cima dos telhados vermelhos), amigas com nomes de sonho, como Elsinore, com quem gostaríamos de figurar em quadros.

2 comentários :

Joao Soares disse...

Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.

Alberto Caeiro

Estas palavras, acerca do recente episódio na Póvoa, derrubam a falta de sensibilidade que muitos autarcas e povoações do nosso território, continuam a demonstrar, que se deixam "adormecer" ou "não querer pensar" muito sobre destruição dos seus jardins e abate de árvores...
Brevemente irei falar, no BioTerra, novamente da Mathai e do seu esplêndido contributo para o desenvolvimento do seu País...
Inquietação, tenho sempre esta inquietação e quanta felicidade minha em partilhá-la convosco, meus queridos amigos!!

Carla de Elsinore disse...

reciprocidade. :)