27.12.04

Especiarias

«Quando os mongóis e os turcos interromperam o suprimento por terra dos condimentos do Oriente, a era dos descobrimentos começou. A Europa descobriu que não podia viver sem tempero e lançou-se ao mar e à conquista de rotas alternativas para o cominho e, por acidente, outros mundos. (...)

Toda a grande aventura imperial foi aromática, tangida pela pimenta e o gengibre, a hortelã e a noz-moscada. Homens rudes lançavam-se contra o desconhecido e a morte pelo rosmaninho. Navios inteiros eram tragados pelo mar e deixavam, na superfície, irônicas sopas de ervas. Até a poluição era inocente: se se rompesse um porão de navio, as praias se cobriam de grãos de mostarda, as gaivotas se intoxicavam com favos de baunilha. (...)

A especiaria de hoje é a droga. (...) O apetite servido é pelo delírio, não mais pela noz-moscada, e a carga viaja escondida. Quem transporta drogas é chamado de "mula" e há no apelido uma vaga evocação das caravanas do Oriente que enfrentavam bárbaros e ursos - em vez de fiscais de alfândega - só para dar uma sensação à Europa.»

Luis Fernando Verissimo, A mesa voadora (2001)

1 comentário :

bea disse...

Delírio não é apetite. É loucura. Mas somos todos loucos. um pouco. e que não chegue ao delírio