28.8.06

Açoita-cavalo


Jardim Botânico de Coimbra: Luehea divaricata

A família Malvaceae, que inclui os hibiscos e os abutilons, foi recentemente aumentada pela inclusão das antigas famílias Tiliaceae (a que pertencem as tílias), Bombacaceae (abrangendo as paineiras e os famosos embondeiros) e Sterculiaceae (de que conhecemos os braquiquitos). Que todas essas famílias botânicas sejam fundidas numa só é consequência de avanços científicos (incluindo estudos genéticos) que permitem reconhecer afinidades profundas em plantas aparentemente muito diversas. Mas mesmo um leigo pode por vezes detectar certas semelhanças à vista desarmada. Por exemplo, quando primeiramente vimos a flor (pequena, de uns 3 ou 4 cm de diâmetro) da árvore na foto, a sua parecença com a do hibisco sugeriu-nos tratar-se de uma malvácea. E de facto assim é - mas apenas agora, pois antes a árvore em causa (Luehea divaricata) incluía-se nas tiliáceas. Mesmo que acidentalmente, essa árvore acaba por funcionar para nós como elo de transição entre as duas famílias agora reunidas; mas, para apaziguar a nossa teimosa ignorância, ainda aguardamos um exemplo intermédio que nos convença do parentesco entre a tília e o embondeiro.

Segundo o livro Árvores Brasileiras - vol. 1 de Harri Lorenzi (Instituto Plantarum, 3.ª ed., 2000), a Luehea divaricata é uma árvore caducifólia que pode atingir os 25 metros de altura, espontânea no Brasil desde a Bahia até ao Rio Grande do Sul, de distribuição irregular mas mais frequente nas margens dos rios. Um dos seus nomes brasileiros, açoita-cavalo, é cruel mas literal, pois os seus galhos muito flexíveis são usados como chicotes. O exemplar da foto, o único que conhecemos em Portugal, está agora em flor; encontra-se no Jardim Botânico de Coimbra, em local vedado ao público (numa das escolas sistemáticas entre o quadrado central e a estátua de Brotero), e sem uma placa que o identifique. A obtenção das fotos foi saga digna dos bandeirantes que - e seja-nos permitido fantasiar um pouco -, de entre os colonizadores do novo mundo, primeiro terão postos os olhos numa destas árvores; mas, ao contrário do que sucedeu à epopeia seiscentista, desta aventura em Coimbra não ficará, por modéstia nossa, relato para a História.

9 comentários :

Eduardo disse...

Só para assinar por baixo de tudo o que aqui tem sido escrito acerca do Jardim Botânico de Coimbra. É triste, de facto, ter ali aquilo -- que é só, na minha opinião, o melhor espaço público da cidade -- daquela maneira.

Manuel Anastácio disse...

Contem! Contem! É crueldade sugerir uma história e, depois, não a contar.

bettips disse...

Claro, contem! Pode ser que despertem alguém "influente"! E as queixas partilham-se assim, tal como a beleza das árvores e o saber que nos deixam. Abç

Paulo Araújo disse...

Não haveria assim tanto que contar. Aproveitámos uma lacuna que preferimos não revelar, para não impedir futuras incursões nos recantos proibidos do jardim. Mas tememos que, em resultado desta invasão, os responsáveis passem a gastar em vigilantes o dinheiro que deveriam usar para melhorar o jardim.

Anónimo disse...

muito bom, tem-se até o shampoo o condicionador e a mascara capilar feita a base de AÇOITA CAVALO, a venda no site japones e brasileiro http://www.atacadao.siteonline.com.br

Manoel Funchal Portugal disse...

Esta planta, tambem integra os ingredientes do melhor chá emagrecedor (para emagrecer muito) chá 50 ervas krenakore, eis a curiosidade, pois, pois, são 50 ervas que combatem a celulite, tira estrias, queima gordura, desobstrui a retenção de liquidos, faz efeito na tiroide, regula o intestino é possivle estar a emagrecer 30 kilos em 90 dias com o uso deste chá, é um dos mais vendidos aqui em Funchal, na Ilha da Madeira, é apenas pouco mais caro, esta a custar 70 euros.

Mónica disse...

Ola Manoel,eu sou da ilha da madeira e ja estive pelo funchal a procura desse cha e nao encontrei, poderias dizer-m em k estabelecimento s encontra (nome da rua, loja, + qualquer coisa k ajude).
Tao bgd...

Anónimo disse...

Açoita Cavalo é apenas uma das inúmeras plantas medicinais. Páginas como essa merecem todo apoio pois muito sofrimento e gastos seriam evitados se conhecessemos melhor os poderes das plantas.
Mari Santos
http://plantasmedicinaisdaamazonia.googlepages.com/

Lucien de Oliveira disse...

Eu adorei a explicação. mas eu queria saber mais, tipo: se da fruto,como é a semente,como eu fasso para pegar as semente,coisas desse tipo, mas foi muito bom essa sua explicação. valew.