9.8.06

Senhor do Padrão



O monumento ao Senhor do Padrão, em Matosinhos, foi erigido no século XVIII para comemorar a aparição no local da imagem do Senhor de Matosinhos; está classificado como monumento nacional desde 1977. Já esteve sozinho no meio do areal, mas hoje as construções cercam-no por todos os lados; um corredor pedonal ajardinado concede-lhe um resto de dignidade. Essa amostra de jardim, único apontamento verde em toda a faixa costeira urbana de Matosinhos, desenha a fronteira quase exacta entre os esmagadores blocos habitacionais de Matosinhos Sul, antiga zona das fábricas de conservas, e o bairro piscatório a norte, onde perduram as casas baixas, convertidas quase todas em restaurantes.

Não há muitas árvores ou arbustos que possam sobreviver aos ventos marítimos; os exemplos que se conhecem estão quase todos representados nos jardins da Av. Montevideu, no Porto, e também nas ruas de Matosinhos: metrosíderos, pitósporos, tamarizes, melaleucas. O que é notável no jardim do Senhor do Padrão é que os lustrosos arbustos que o ornamentam pertencem a outra espécie: são mióporos (Myoporum acuminatum), arbustos australianos não muito comuns em Portugal de que já aqui tínhamos falado. A sua adequação às zonas costeiras foi então devidamente assinalada, mas faltava-nos um exemplo prático desse uso.

Acresce que as flores e frutos do mióporo (que mostramos em baixo) são muito atraentes para insectos e pássaros, o que mais ainda nos convence da justeza desta escolha matosinhense à beira-mar.


Myoporum acuminatum

5 comentários :

MJ disse...

Em Sintra é uma infestante.

Paulo Araújo disse...

Gostava que me desse mais pormenores sobre essa situação em Sintra (que conheço muito mal). É que "infestante" e "invasora" têm significados precisos, e não basta uma espécie ser muito abundante para ser classificada como tal. Para um exemplo esclarecedor, o eucalipto não é considerado invasor pelo Decreto-Lei n.º 565/99, pois a sua presença avassaladora em Portugal deve-se à acção humana e não à sua capacidade de se auto-disseminar. O mióporo também não consta da lista das invasoras. Em que zonas de Sintra o mióporo é abundante, na serra ou à beira-mar? A sua ocorrência é espontânea? Finalmente, essa presença impede a ocorrência natural de outras plantas?

Anónimo disse...

tenho estudado este Myoporum acuminatum pois está bem presente na região da Lezíria do Tejo, nomeadamente a formar sebes nas propriedades privadas ao longo da EN 118 desde Alpiarça a Benavente (pelo que me apercebi) No parque ribeirinho de Benavente antes da ponte (sentido N-S) observa-se ai o transparente (como os espanhóis o chamam)a demonstrar alguma tendência de invasora... Estevaohnh@yahoo.com.br

Anónimo disse...

Serão também miósporos os arbustos (alguns de porte ardóreo) que na Assafora (Sintra) "dão" pelo nome de Malatos?

Luisa Palma

Paulo Araújo disse...

A crer pelo primeiro comentário aqui deixado, não é impossível que sejam. Mas não conheço o local e só com fotos do arbusto (flores e folhas) é que lhe poderei responder.