21.10.06

A não perder

.
O último número da National Geographic (Outubro)
Destaque: Pulmões Urbanos-Espaços para a alma
«Paris demonstrou ao mundo que não é preciso muito espaço para construir um parque urbano: basta imaginação, alguns metros quadrados livres na floresta de betão e vontade política. A cidade-Luz é o melhor exemplo da tendência urbana contemporânea no sentido de recuperação do verde entre as manchas de cinzento das cidades industriais. » por Jennifer Ackerman (Ler versão original )

Exemplar também: o site oficial dos Parques e Jardins da "capital mais arborizada da Europa".
Paris verde no Dias com árvores:
"L'échappée..."; Seduzida e deslumbrada ; Pelouse au repos ; "Humains au repos" ; Jardins do Luxemburgo- fim de tarde; A Fonte de Médicis ; "Aux Champs Élysées..." ; Conservação da Fauna na Cidade .
.

7 comentários :

magma disse...

Olá!

Comprei uma casa que apresenta um pequeno jardim cerca de 11 m2 em frente da varanda. Encontra-se plantada ao centro uma árvore, creio de pequeno porte, de nome,Eribotrya Coppertone, com cerca de 1,70 m -info. retirada da Net- , bem como, mais ou menos a 1,80 m, uma cameleira branca com 80 cm de altura e já com flores lindíssimas. Pergunto a quem sabe e quiser responder se estas duas espécies se encontram em boas condições de desenvolvimento,sabendo-se, também, que no vértice de um triângulo entre elas se encontra uma azálea profusamente florada.

Agradece-se a resposta, para saber se tenho de retirar pelo menos uma delas.

manuel.

Paulo Araújo disse...

A sua Eriobotrya não é uma variedade da nespereira vulgar? Estas árvores não crescem muito, mas fazem-no bastante mais depressa do que as camélias. Talvez as duas árvores tenham condições para se desenvolverem, mas quando crescerem um pouco mais vão inevitavelmente misturar as copas, e o efeito não deve ser muito bonito de se ver (se fossem duas camélias já a conversa seria outra). Soluções? Talvez elevar a copa da Eriobotrya cortando-lhe os ramos mais baixos. Ou então transplantar uma delas para outro local (eu manteria a camélia, claro), o que é mais fácil de fazer sem prejuízo para a planta enquanto ela é pequena. A azálea não causa problemas, pois fica sempre rasteira e gosta de sombra.

Rosa dos Ventos disse...

Paris, além de ser a cidade-luz, é também a cidade-verde!
Qualquer pracinha, qualquer recanto tem o encanto de um jardim!
Era bom que os nossos (ir)responsáveis fossem lá aprender qualquer coisa!

Fatima Vinagre disse...

Concordo com a rosa dos ventos.

Anónimo disse...

Tantos e tão bons exemplos! Porquê só copiar o que não presta? A raiva cresce...:(

Obrigada, Manuela, por mais esta "lufada" de bom gosto.

M.R.L.

bettips disse...

Sempre pensei que "eles" não querem aprender...são autistas e autoritários, além de terem mau gosto! Abç

magma disse...

Bom dia!

Quero agradecer a Paulo Araújo o que escreveu a propósito do problema que coloquei. Como as árvores ainda são pequenas e a Eriobotrya,acho que as vou aguentar e tentar domesticar esta que é um exemplar muito bonito de forte e aprumado tronco.De qualquer modo, de novo, os meus agradecimentos.

manuel