28.7.07

Ter olhos e não ver

Estas árvores -tílias em Ramalde e plátanos no Passeio Alegre - são árvores condenadas. O seu destino foi traçado por pessoas que, apesar de terem olhos não vêem; são incompetentes; aparentemente desconhecem e não cumprem o Regulamento Municipal dos Espaços Verdes (RMEV)- disponível para consulta na página web da CMP (doc) ; gastam o nosso tempo, a nossa paciência e o nosso dinheiro.



O que seria de esperar de qualquer pessoa com um mínimo de bom senso era que não plantasse árvores de grande porte e copa larga em passeios estreitos, a pouca distância de paredes ou outros obstáculos, neste caso dois obeliscos classificados de interesse público (oriundos da Quinta da Prelada)

Fruto de um mau planeamento, estas são árvores condenadas, para seu mal e nosso profundo incómodo, a serem maltratadas, mutiladas, indecentemente podadas. Não, nem todas as histórias têm fim, esta "is a never ending one" .

1 comentário :

Anónimo disse...

O que seria de esperar de qualquer pessoa de bom senso era que não construisse passeios onde as árvores tem a copa! O que acontece em muitos casos é que originalmente as arvores e os passeios conviviam sem problemas, mas as restruturações urbanas pedem sempre espaço e é tirado ás árvores...E quanto aos obeliscos...a não ser que tenham criado raizes podem ser levados para outro lado, por aquilo que percebi nem sequer nasceram onde estão agora...