3.12.09

Árvores




Plátanos (Platanus orientalis var. acerifolia) - Caldas de Moledo

Que árvores tem a Régua? Três ou quatro, e essas mesmo desenhadas num papel ou esculpidas em cimento armado. Se assim não fossem, já não existiam. A Régua, por influência do nome, só admite árvores regulares. Árvores que cresçam torto, pisem o risco ou abram os braços, não servem. (...) Seja assim nos sítios em que as árvores irregulares estorvem. Fora desses sítios, plantem-se árvores que vivam à lei da Natureza. (...)

[Admite-se que um belo renque de árvores, numa rua, possa incomodar o Menino Isaac, tão melindroso, que se constipa quando vê uma folha. Arrumadas as árvores num parque, é de supor que não incomodem ninguém.]

Parque, salvo seja, é coisa catita, imaginada e mantida por cabeleireiro. A Régua tem obrigação de idear e enraizar uma frondosa mata. (...) O nosso fim é coagir a Régua, suavemente, a ir plantando alguns milheiros de árvores. Na Chafarica ou onde melhor pareçam e se desenvolvam, sem as obrigarmos a mudar de poiso de oito em oito dias e a fazer a barba
às quartas e sábados.

João de Araújo Correia, Pátria Pequena (Imprensa do Douro, 1977)

4 comentários :

Rafael Carvalho disse...

Os locais possuem marcos, pontos de referência...
As Caldas do Moledo, que tão bem conheço, certamente não seriam as mesmas sem os seus frondosos plátanos.

Maria Carvalho disse...

As fotos não mostram os plátanos que foram rolados em 2004 e 2006. Esses, coitados, exibiam (querendo certamente esconder) uma copa ridícula que lhes dava ares de sorvete-de-cone-já-lambido. Não têm salvação. Também eles são «pontos de referência», mas de rotas a evitar.

pedro vicente disse...

Que pena muitas das nossas ruas não terem árvores...Seriam mais sensiveis a isso as populaçoes do seculo xix?

bettips disse...

Também lá parei, no tempo de os admirar, o abandono. Espero que "esqueçam" estes... e os deixem ser belos e chorões para o rio!