25.12.09

Sagrada família



Doryanthes palmeri A. W. Hill

    A Sagrada Família comia connosco
cinco dias por mês. Ficava, sem ruído,
sobre a mesa da sala. Brilhava no escuro
a chama diminuta de uma lamparina.


Disputávamos a honra da moeda na ranhura
sob os pés de S. José. Espécie de
slot-machine
cujo prémio era o regresso do pai,
a bofetada, o princípio da autoridade.


Anos depois, cabia ao filho mais velho
o cuidado de transportar a imagem
a casa do vizinho. Trezentos metros
a fugir das pedras e das bocas infiéis.


Até ao dia em que o pai ficou de vez,
para dar por terminada a brincadeira.
Agora, todas as frases eram rematadas
por pontos de exclamação, as portas


começavam a bater mais depressa.
Nenhum dos filhos levantava a cabeça
quando a mãe nos perguntava, ainda:
quem quer apostar na Sagrada Família?


José Miguel Silva, Vista para um pátio (Relógio D' Água, 2003)

2 comentários :

Rui Pedro Lérias disse...

Está linda, essa Doryanthes palmeri.

Há várias no Jardim Botânico da Politécnica, em Lisboa. Está uma a florir mas ainda não tinha iniciado a abertura das flores. Serão aguardadas ainda mais ansiosamente agora!

Boas Festas.

Paulo Araújo disse...

As fotos foram tiradas em 2006, em fins de Abril e princípios de Maio. A de cima é do Botânico do Porto, a de baixo (grande plano das flores) é do Botânico de Coimbra. Talvez em Lisboa floresçam mais cedo, mas isso da divisão entre estações está cada vez mais confuso. Não sei dizer se a Doryanthes palmeri do Porto ainda existe - hei-de verificar um dia destes.

E fica também o desejo de Boas Festas.