9.10.10

Flor-de-sal


Porto Martins - ilha Terceira [em primeiro plano: Myrica faya Aiton e Ficus carica L.]


Frankenia pulverulenta L.

Ao amanhecer, quando vindo do mar começava a soprar leve vento, subia o rapaz no alto daquele prédio, e empinava a pipa amarela. Batendo o tênue corpo de papel contra as varetas, serpenteando a cauda, lá ficava ela no azul até que o final da tarde engolia a brisa, halitando então a terra sobre o mar, e descendo o rapaz para a noite.

Assim, repetia-se o fato todos os dias. Menos naquele em que, por doença ou sono, o rapaz não apareceu no alto do terraço. E a brisa da manhã começou a soprar. Mas não estando a âncora amarela presa ao céu, o edifício lentamente estremeceu, ondulou, aos poucos abandonado seus alicerces para deixar-se levar pelo vento.

Marina Colasanti, Contos de amor rasgados (Ed. Record, 2010)

Sem comentários :