18.1.11

A pequena taça


Narcissus tazetta L.

My plentie makes me poore
Ovid, Metamorphoses (trad. Arthur Golding)

Há vários deuses na mitologia grega que, como nós, nunca entraram no Olimpo, indesejados por se contentarem com um destino humilde e terreno, ou ali mal recebidos porque associados ao mundo dos mortos, ou ainda afastados por castigo. Foi esse o caso de Eco, culpada de incessante tagarelice. E também Narciso, filho da ninfa azul Leiriope, de quem se vaticinou "Terá vida longa se não chegar a conhecer-se", não escapou à punição. Vaidoso da sua beleza, que nunca quis consumir em paixões, recusou todos os amores com que o assediaram. Um dia, sequioso, abeirou-se de uma nascente límpida, não perturbada por brisa ou sombra, e viu o seu reflexo. Enamorado por tão belo jovem, tentou abraçá-lo e, ao perdê-lo, reconheceu-se. Devastado, ali chorou a mágoa de desejar o inatingível, atormentado por saber-se para sempre fiel à sua imagem. Ao golpear-se com um punhal, a terra transformou-o numa flor.

Estranhamente, este mito incentivou o uso de um óleo perfumado obtido de algumas espécies de narciso e recomendado como vulnerário e bálsamo para as frieiras, mas que é também narcótico. Essa essência poderia ter sido extraída do Narcissus tazetta. Trata-se de um narciso originário do Mediterrâneo, abundante em relvados húmidos, solos rochosos, vinhas e campos de cultivo, que está naturalizado em Portugal e em muitos outros países. As suas folhas têm o tom verde-azulado característico do género, são estreitas, erectas e ligeiramente torcidas, e atingem 20 a 50 cm de comprimento. Ao contrário do N. calcicola, as hastes florais do narciso-de Inverno são altas (20 a 40 cm) e podem exibir uma dezena de flores, cada uma com cerca de 4 cm de diâmetro. E há ainda a subespécie aureus, que por ser toda amarela terá poderes medicinais suplementares. O epíteto tazetta é o nome vernáculo italiano para estas plantas, diminutivo de tazza (taça).

No ano passado reparámos que a floração de muitas plantas se atrasou umas duas semanas relativamente ao previsto. Este ano, como compensação, parece que elas se estão a adiantar, pois já encontrámos muitos narcisos em flor (N. bulbocodium, N. calcicola e N. tazetta). Podemos enfim suspender a dieta de fetos e musgos.

5 comentários :

Virginia disse...

Quando estive em Leeds onde vive a minha filha, tirei uma foto dela, rodeada de narcisos amarelos. O poeta Wordsworth dedicou-lhes o poema " Daffodils", como certamente sabem , uma obra de arte.
É uma planta singela, mas lindíssima, como um cisne.

Boa escolha e belo texto.

Maria Carvalho disse...

Em Inglaterra, onde (segundo as referências que temos) só há uma espécie de narciso silvestre, o Narcissus pseudonarcissus, têm o cuidado de espalhar cultivares pelos jardins das cidades, e por isso merecem parecer mais abonados em flores do que nós.

Maria da Luz Borges disse...

Lindos!
Tão lindos que fazem bem à alma!

James disse...

este ano plantei destes narcisus tezeta, e ao contrario de todos os outros, a planta começou logo a lançar as suas folhas à superfície da terra...e algo me diz que irá florir em breve, será isto normal? supostamente só dá flor em Janeiro- Fevereiro, é essa o inicio da época dos narcisos...

Paulo Araújo disse...

Talvez não seja muito anormal, pois já vi o Narcissus tazetta florir em Dezembro.