16.5.11

Um dois três dedos



Saxifraga tridactylites L.

Quem tem como passatempo observar plantas sabe que, em certos lugares, nenhum metro quadrado de terreno pode ser ignorado. A serra dos Candeeiros, coberta em grande parte por solos pedregosos e esqueléticos, impróprios para qualquer cultivo, é singularmente fértil em raridades botânicas. Muitas delas são de tal modo miniaturais que só com sorte ou muita paciência é que o olho consegue detectá-las. Para nós a Saxifraga tridactyles (ou saxífraga-dos-três-dedos, numa alusão à forma que as folhas por vezes tomam) foi um caso de pura sorte: nunca a procurámos, mas tê-la visto provocou-nos um entusiasmo inversamente proporcional ao seu tamanho (em geral inferior a 10 cm).

Que seja rara é uma especificidade portuguesa, pois no resto da Europa (e também da Ásia e do norte de África) ela não é assim tão incomum. É uma planta que chega aqui de visita (e em Portugal só está referenciada em Trás-os-Montes e na Estremadura) para, na sua pequenez, nos dar notícias do vasto mundo além-fronteiras. Visita porém efémera: planta anual, a S. tridactyles floresce entre Março e Junho, frutifica e depois desaparece. Para que o leitor a reconheça caso se cruze com ela, saiba que as flores têm de 2 a 3 mm de diâmetro e que as folhas caulinares, maiorzinhas do que as da base, podem chegar a 1 cm de comprimento. Se lhe quiser tocar, cautelosamente, com os dedos notará que a planta é viscosa e coberta por uma leve penugem.

3 comentários :

Lírio disse...

Mas que perfeição!
A Natureza é fascinante,tem sempre pequenas surpresas que não passam despercebidas aos olhos mais cristalinos de alguns homens!
Que bom seria se todos fossem assim!!

Lis disse...

Essas plantinhas que florescem assim em pedregulhos quase nao as notamos passam despercebidas e são incríveis ,
de muita beleza.

abraço

greenman disse...

É uma pena não termos por cá interessados em jardins rochosos. Temos algumas autóctones que se adaptariam com grande facilidade e são de grande beleza...