4.11.11

O Mondego não passa aqui



Arenaria conimbricensis Brot.

A identificação das plantas com flor é, como sublinhou Lineu, mais expedita, mau grado os sinais contraditórios que algumas flores nos dão. As flores das fotos poderiam confundir-se com as de certas saxifragas, não fosse o centro delas (e de outras do mesmo género) negar enfaticamente tal parentesco. Nem sequer pertencem à mesma família botânica. Trata-se de um endemismo da Península Ibérica (C, NE e SW), presente no centro e sul de Portugal, de dimensões reduzidas (parece maior porque os caules são erectos, mas não costuma crescer acima dos 15 cm) e vida breve (é anual). Foi descrita por Brotero em 1800, e o nome alude a Coimbra.

Encontrámo-la no mês de Maio em Sicó e, pouco depois, na serra da Boa Viagem, em companhia de narcisos tardios (Narcissus bulbocodium L.) e muitas orquídeas. Como outras espécies de Arenaria, aprecia lugares secos, e nas encostas pedregosas destes dois montes há vento que baste para garantir este habitat.

Em algumas montanhas do extremo nordeste espanhol, e só ali, ocorre o que se crê ser uma outra versão desta Arenaria, bienal ou perene, de maior porte, com folhas maiores e de um verde mais vivo (viridis), que prefere sítios frescos e com sombra. De momento, e até que se estude melhor, propõem-se duas subespécies, a que vimos (A. conimbricensis subsp. conimbricensis) e a espanhola A. conimbricensis subsp. viridis.

1 comentário :

Carlos M. Silva disse...

Olá Maria
Obrigado pelo alerta.
Dias depois de ver este teu post lá fui aos meus ficheiros de Sicó (Poio) e lá estava uma 'saxifraga (nome por mim dado)' que mais não é,acho eu!, que esta.
Obrigado uma vez mais.
Carlos Silva