24.7.12

Semi-terrestre



Sparganium erectum L.

Há plantas perenes com hábitos que associamos a patos. Vicejam em margens de arroios ou charcos de água doce com fraca corrente, onde mergulham o rizoma e parte dos talos, podendo mesmo manter-se a boiar. As inflorescências são terminais, para que as flores e os frutos se resguardem dos estragos que a água lhes pode causar e sejam avistadas pelos polinizadores. Este é o perfil de alguns juncos, dos foguetes ou tábuas (género Typha) e também da espadana (nome que designa o Sparganium erectum L. ou o Sparganium emersum Rehmann) e da espadana-da-montanha (Sparganium angustifolium Michx.), as espécies deste género que se conhecem em território luso. As afinidades com os foguetes ditaram que a família Sparganiaceae, com um único género, fosse abolida e o seu conteúdo transferido para a família Typhaceae, que assim duplicou de tamanho: abriga agora dois géneros, Typha e Sparganium.

As herbáceas do género Sparganium são monóicas, com inflorescências em glomérulo, situando-se as flores masculinas mais acima na haste (as da Typha são duas espigas que se sobrepõem, de novo a das flores masculinas no topo). Os capítulos de flores têm cerca de 3 cm de diâmetro mas as flores reduzem-se a umas poucas tépalas a rodear os estames (nas masculinas, caducas e menores) ou o ovário. Os frutos roliços e duros (a que os espanhóis chamam botones de hierro) formam uma estrutura que lembra um dodecaedro estrelado, cada um com uma semente.

O Sparganium erectum é alto, com mais de um metro de altura, e tem folhas glabras, lineares, de secção triangular, que se encaixam e engrossam na base, servindo as superiores também como brácteas. Floresce no Verão e é cosmopolita, ocorrendo por cá em quase todas as províncias. Distingue-se do S. emersum e do S. angustifolium por ter hastes florais ramificadas. Este último, mais raro, é nativo da Europa, América do Norte e parte da Ásia. Parece uma gramínea quando flutua em algumas lagoas de água permanente, acima dos 1000 m, na serra da Estrela, o único local onde há registo da sua presença em Portugal.

2 comentários :

Rafael Carvalho disse...

Tenho uma espadana-de-água (Sparganium erectum)no meu lago. Considero-a uma das mais fotogénicas plantas do meu lago.
Cumprimentos.

Maria Carvalho disse...

Sem as flores ou os frutos é só elegante, mas destingue-se por isso dos juncos mais desgrenhados. Enfim, do seu lago fabuloso, não saberia o que escolher...