5.9.12

A próxima invasão





Senecio inaequidens DC.

Nomes vulgares: em inglês, narrow-leaved ragwort ou South African ragwort; em francês, séneçon du Cap; em português, propomos tasneira-do-Cabo
Ecologia: terrenos ruderais, afloramentos rochosos, dunas costeiras
Distribuição global: nativa da África do Sul, Namíbia e Moçambique, foi introduzida acidentalmente na Europa no final do século XIX; hoje em dia está naturalizada em quase toda a Europa ocidental (incluindo a Grã-Bretanha, a Escandinávia e a faixa mediterrânica entre Espanha e Itália) e também na América do Norte e do Sul
Distribuição em Portugal: desconhecida, pois nunca até hoje ela tinha sido detectada no nosso país; está pelo menos naturalizada no estuário do Lima e nas dunas da Amorosa, em Viana do Castelo
Época de floração: quase todo o ano, mas especialmente de Abril a Outubro
Data e local das fotos: 12 de Agosto de 2012, Amorosa, Viana do Castelo
Informações adicionais: planta perene com 60 a 80 cm de altura, glabra, por vezes de base lenhosa, que se distingue pelas suas folhas estreitas e pelas brácteas involucrais com ápices escuros; tem vindo a expandir a sua área de ocupação a grande velocidade, e é considerada uma invasora preocupante em vários países europeus pela ameaça que pode representar para a flora nativa; contudo, a sua presença em Portugal, onde tenderá a ocupar dunas e lugares degradados, dificilmente representará uma ameaça comparável à dos chorões (Carpobrotus edulis), que, por ignorância ou incúria, ainda são usados ocasionalmente no ajardinamento público (em Moledo do Minho, por exemplo)

3 comentários :

Carlos M. Silva disse...

Olá
Espantoso; é possível que das 4 vezes que lá fui (à Amorosa) a tenha fotografado mas se tal aconteceu!! não lhe terei dado qualquer nome ou tê-la-ei confundido com uma qualquer outra já que são tantas (para o leigo que sou ..são demasiadas!).
O vosso trabalho a gosto é uma lição! Pena que as instituições existentes (existem?) não tenham o dom de aprender!E por vezes, até as pessoas que 'nelas vivem' são limitadas a pouco aprenderem!
Obrigado pelo que vão descobrindo
Abraço
Carlos M. Silva

Paulo Araújo disse...

Olá, Carlos.

Obrigado pelo generoso comentário. Acho que a condição de amadores (categoria em que tu também te incluis) nos obriga a estar sempre a aprender, já que partimos do zero e a vida (não a nossa) é inesgotável. Mas no caso houve uma "conjunção favorável de circunstâncias", pois estávamos de olho nos senécios, já a pensar na série amarela aqui no blogue, e não conseguíamos encaixar esse em nenhuma das espécies oficialmente existentes em Portugal. Foi só armarmo-nos de paciência e vasculharmos a internet em busca de fotos. Como em muitas outras ocasiões, sem as novas tecnologias não íamos lá.

Abraço,
Paulo

Carlos M. Silva disse...

Sim;sim!
Obrigado por ma identificarem!!!
Estava como Name#2[ASTERACEAE] desde Abr/2009 e apenas uma única vez,a única em que fiz o Percurso A,dos 3 lá existentes.
Mesmo sem o cuidado de lhe fotografar as sépalas como devia (em 2009,só fora lá,por ..Geocaching..que não fiz!ao fim de 10 minutos virei-me para as plantas!!que são mais fáceis..mostram-se!)dá para vislumbrar que são estas.Obrigado uma vez mais.
Carlos M. Silva