4.1.14

Acelgas




Beta maritima L.

O dicionário Houaiss regista nove entradas para a palavra beta, algumas delas com múltiplos significados. Em geral, o termo alude à noção de segundo. Em ciência, tanto designa a segunda estrela em grandeza numa constelação, como um segundo produto de uma reacção química, a segunda das três radiações por emissão de partículas das substâncias radioactivas, o número dois ou a segunda letra do alfabeto grego. Mas beta também pode ser uma lista sobre um fundo de cor diferente, seja ele de tecido, pelagem, plumagem, ou o contraste na coloração entre os lenhos de Verão e de Primavera de um tronco de madeira. E, mais localmente, beta também é o nome dado a um cabo com que se puxa a rede para terra depois da pesca de arrastão, e ainda a um tresmalho para a pesca de sargos e robalos; ou, em momentos de atrapalhação, azáfama ou grande pressa, a algum instrumento sem denominação própria.

Em botânica, Beta é o nome científico das acelgas, usado a partir da designação vernácula proveniente do celta bett, que quer dizer vermelho. Beta é o género que contém a beterraba (B. vulgaris), aquela raiz intumescida e adocicada, globosa ou fusiforme, vermelha-cor-de-vinho-tinto, branca ou amarela, com que se fazem sopas, saladas, sumos ou bolos coloridos, e que é fonte de grande percentagem do açúcar consumido no mundo. A espécie B. maritima, ou acelga-brava, comum no litoral, que se pendura em arribas ou se estira em dunas e sapais salgados, tem uma raiz grossa mas não tão carnuda. É nativa da oeste e sul da Europa, parte da Ásia, norte de África e Macaronésia.

As fotos mostram como as folhas desta espécie, que encontrámos nas areias marítimas e em praias de seixos de Viana do Castelo, são glabras, inteiras e alternadas, com a nervura central conspícua e, por vezes, tingida de vermelho ou rosa, tendo as basais um longo pecíolo. As flores, que nascem entre Abril e Outubro, são esverdeadas com um leve matiz púrpura e apresentam cinco tépalas encurvadas para dentro, desse modo formando uns capuzes onde se protegem os estames. Além disso, são hermafroditas, agrupando-se em inflorescências que parecem espigas. Se tivéssemos arrancado uma noz a algum dos pares que os frutos soldam à haste, poderíamos agora conferir que cada um contém uma semente alongada.

Por cá, ocorrem espontaneamente três espécies do género, mas a B. macrocarpa é rara e, até agora, só terá sido avistada no Algarve e Estremadura. Da B. maritima há registos em quase toda a faixa costeira, tirando Alentejo e Douro Litoral.


Areosa, Viana do Castelo

2 comentários :

Nebula, le Roscovite disse...

A B. macrocarpa já obervei em salinas na Ria Formosa (Faro). Outra Beta aqui na zona, muito mais comum que a macrocarpa, é uma planta ruderal, comum em bermas de estradas, baldios e campos cultivados. As folhas são frequentemente de muito maior dimensão que as observadas nessas formas marinhas. Serão formas assilvestradas da B. vulgaris? Serão B. maritimas adaptadas a meios mais ruderais, não maritimos? Parabéns pelo site, fotos e textos.

Carlos M. Silva disse...

Olá

Raios!
Mais uma que se por acaso com ela me cruzei, nas minhas idas a partes dessa costa, não me terá levado a baixar-me.
O que significa que para mim não será a 2ª que tal me sucede, ..pois o nome não me terá ajudado. Já me terá sucedido muitas mais vezes.
Mas é normal para o que se não conhece.
Carlos M. Silva