29.3.14

H, II ou X

Ophrys incubacea Bianca

Orquídeas silvestres outra vez?, pergunta o leitor de testa franzida. Pois, ainda não falámos desta. Só recentemente a vimos no Parque Natural da Arrábida, em sítios soalheiros ou a meia sombra, e estava no início da floração. Não ocorre no norte do país, embora haja populações no norte da Península Ibérica. É uma planta mediterrânica e, mau grado os poucos registos da sua presença em Portugal, não será assim tão rara no Alentejo e na Estremadura. Amaral Franco, na Nova Flora de Portugal, garante que também ocorre no maciço calcário do centro do país. O botânico italiano Giuseppe Bianca (1801-1883), que a nomeou em 1842, terá avistado exemplares diminutos na Sicília (o nome incubacea alude precisamente a essa pequenez), mas os caules erectos podem chegar aos 60 cm de altura.

Em algumas flores nota-se, na ponta do labelo, um apêndice amarelo redondinho cuja função desconhecemos. Para outros detalhes há, porém, explicação. As flores têm um estigma escuro e o labelo é peludo, em tom castanho avermelhado, próximo da cor do vinho tinto, no centro do qual se destaca uma mancha violácea brilhante que, para mais bem contrastar, tem por vezes um rebordo ocre ou esverdeado. A alguns, a flor lembra uma aranha, a outros uma vespa ou um moscardo. No polinizador (Andrena morio) suscita a grata memória de uma mosquinha-fêmea de tamanho aproximado ao do labelo, igualmente escura e com asas estreitas que, juntas, parecem formar um X. O desenho no labelo da flor imita quase perfeitamente este formato, embora a letra saia por vezes mal desenhada, lembrando antes um H ou um duplo I.

Alguns naturalistas, botânicos e especialistas em orquídeas evocam várias diferenças morfológicas para não seguirem a norma da Flora Ibérica (e, portanto, do Flora-On) de designar esta orquídea como Ophrys sphegodes Mill., nome atribuído em 1768 a uma planta que, se aceitarmos essa opinião, não existe por cá. É certo que as variações morfológicas aleatórias numa mesma população de orquídeas podem ser muito benéficas à espécie, mas algumas das que observamos hoje têm por ventura ainda um carácter efémero. Entende-se, assim, a hesitação em formalizar esses cambiantes em múltiplas espécies sem o apoio de estudos genéticos aprofundados. Contudo, o género Ophrys hibrida com frequência, o que complica consideravelmente a tarefa da ciência mas é fonte de legítimo regozijo para quem descobre tais híbridos.


Castelo de Palmela

4 comentários :

ZG disse...

Wow! Mais uma beldade extraordinária!!

bea disse...

Não a encontro uma orquídea muito amistosa, parece estar a prender o burro.

Anónimo disse...

Esta é a Ophrys que me falta ver. Um dia hei-de a encontrar por aí.

Abraço
André Carapeto

Anónimo disse...

http://www.floraiberica.es/miscelania/nuevos_taxones.php