12.7.14

A borboleta de Hochstetter

2013 foi um ano de novidades para a flora açoriana, que tem desde então um capítulo mais bem arrumado. Recapitulemos. No início de Dezembro do ano passado ficámos a saber que uma equipa de botânicos encontrou, num único local do Pico da Esperança, na ilha de São Jorge, uma nova orquídea do género Platanthera que é endémica do território. Ao procurarem uma designação apropriada para esta nova planta, consultaram os exemplares de Platanthera colhidos em 1838 por Karl Hochstetter e depositados no herbário da Universidade de Tubinga. Nesse ano, inicialmente com o pai e depois sozinho, Karl percorreu algumas ilhas do arquipélago (não se sabe exacatamente quais) em visita de exploração botânica. No herbário havia afinal material recolhido de três espécies de orquídeas, distintas sobretudo no tamanho e morfologia das flores, mas na Flora Azorica, de 1844, Seubert só havia nomeado duas delas. Mas quais? Excelente pergunta cuja resposta pôs fim a um erro com quase dois séculos: Seubert havia nomeado as menos frequentes, faltando uma designação válida para a mais comum, que existe em todas as ilhas e em populações numerosas.

Resolvido o imbróglio, eis as três espécies de Platanthera endémicas dos Açores que agora se conhecem:

* Platanthera pollostantha, a que tem as flores menores e é a mais abundante, pontuando todas as ilhas açorianas.

* Platanthera micrantha, de flores um pouco maiores, com o labelo revirado para cima a tapar o centro da flor. Há registo da sua presença em seis das nove ilhas (Corvo, Flores, Faial, Pico, São Jorge e Terceira).

* Platanthera azorica, de flores grandes, com o labelo vertical e igualando em tamanho as sépalas laterais. Só são conhecidas populações na zona central de São Jorge. É essa a espécie recém-(re)descoberta.



Platanthera azorica Schltr.

Para ver esta "nova" orquídea, estivemos em São Jorge no início de Junho. No dia seguinte à chegada, preparámo-nos para a subida ao Pico da Esperança, um monte de respeito que se ergue a uns mil metros de altitude, mas o nevoeiro espesso, a chuva miudinha e o vento forte (que, em 1999, terão contribuído para um acidente com um avião da Sata, que colidiu com a montanha) fizeram-nos desistir da ideia. Sem preocupações, afinal tínhamos mais seis dias para repetir a tentativa. No retorno à parte mais baixa da ilha, com sol e gado a passearem animados pelos prados, fomos parando para ver de perto os taludes elevados de beira de estrada, lugares muitas vezes favorecidos por flora admirável. Num deles, a cerca de 650 metros de altitude, detectámos uma planta que procurávamos: a salsa-das-nuvens. E, a meio do talude, eis outra surpresa: vários pés de P. azorica. O que nos leva a ter esperança de que a famosa orquídea talvez esteja mais disseminada pela ilha do que os registos actuais fazem crer.

A lista de polinizadores destas orquídeas é mal conhecida. Mas, sendo adeptas obstinadas da auto-fecundação, não é de admirar que haja poucos híbridos entre elas. É quase certo, porém, que há insectos a visitá-las: algumas fotos mostram pólen disperso, como se espalhado por algum insecto a bater asas; além disso, a P. micrantha é bastante perfumada. E as fotos seguintes mostram um exemplar de P. azorica (ou coisa parecida) bastante robusto e em que as pétalas superiores das flores não formam o tradicional capuz, variações morfológicas que sugerem estarmos em presença de um híbrido ou então de uma planta com desenvolvimento anómalo.



Quando, dias depois, o tempo amainou (enfim, o verbo talvez seja excessivo; digamos que o nevoeiro e o vento ainda por lá se mantinham, mas já não chovia) e pudemos subir ao Pico da Esperança, já conhecíamos a orquídea, mas ali o núcleo delas que se deixa adivinhar entre a névoa é muito maior. Vimos umas duzentas plantas, em plena floração, rodeadas de centenas de exemplares de P. pollostantha e uma dúzia de pés de Euphrasia grandiflora. Esta Euphrasia, de flores maiores do que as da ilha das Flores, ainda só exibia folhas. Um bom motivo para voltarmos a São Jorge.

1 comentário :

bea disse...

De acordo com o que aqui e noutros lugares observei acerca dos Açores, pra voltar a S. Jorge até um motivo inventado serve, quanto mais uma flor.
Por uma flor se vai ao fim do mundo.
Esperamos pelo resultado da viagem:)