24.10.15

Cabaceira de outros picos




Adenostyles alliariae subsp. pyrenaica (Lange) P. Fourn.

Vistas ao longe, com uns olhos que a idade vai desgastando, as inflorescências e as folhas desta asterácea de porte avantajado (pode superar 1 metro de altura) trazem-nos à memória a Pericallis malvifolia, uma sedutora planta açoriana conhecida no arquipélago como malvavisco ou cabaceira. A afinidade das folhas e do porte geral é inegável mas, quando nos aproximamos, a indistinta mancha lilás das flores resolve-se nas suas componentes, e verificamos que os capítulos desta cabaceira alpina pouco têm a ver com os da espécie insular, que afinal não é sua sósia. Os capítulos da Pericallis são do tipo "malmequer", com os florículos centrais muito diferentes dos periféricos que dão as "pétalas", ao passo que os capítulos da Adenostyles, destituídos de "pétalas", são formados apenas por florículos tubulares. Porém, como não temos nome mais aceitável para lhe dar, e aliás em castelhano até a tratam por calabacera, continuaremos a chamar-lhe cabaceira. A alternativa seria inspirar-nos no epíteto alliariae, alusivo à semelhança das suas folhas com as da erva-alheira (Alliaria petiolata), e dar-lhe um nome insultuoso como falsa-erva-alheira.

Quanto mais alta é a montanha mais tardia é a Primavera. É em Julho e Agosto, quando nas planícies a cor dos prados desfalece com a estiagem, que as plantas alpinas florescem profusamente numa urgência de agarrar o breve intervalo em que a neve e o frio dão tréguas. No início de Julho, data da nossa visita à Cantábria, a floração da cabaceira era ainda incipiente e as plantas estavam pouco desenvolvidas; muito mais vistoso teria sido o espectáculo umas três ou quatro semanas mais tarde.

Distribuída pelas montanhas do oeste da Europa, em ladeiras pedregosas ou no sopé de penhascos, em lugares abertos ou algo sombrios, e vegetando tanto em substratos calcários como siliciosos, a Adenostyles alliariae é uma planta vivaz que passa boa parte da sua vida enterrada na neve. Há contudo alguma controvérsia sobre o nome correcto das plantas que fotografámos: dependendo dos autores consultados, na Península Ibérica ocorre apenas a Adenostyles alliariae, dividida em duas subespécies, ou ocorre ainda a Adenostyles alpina, caso em que as plantas cantábricas se deveriam chamar Adenostyles alpina subsp. pyrenaica. Aguardemos pelo volume correspondente da Flora Ibérica para tirar o assunto a limpo.

1 comentário :

ZG disse...

Quanta beleza albergam estes picos!!