17.5.17

O que não se vê


Aphanes australis Rydb.

É da família das rosas e grácil, mas tão pequenina que se julgaria difícil encontrá-la. Contudo, são raros os interstícios entre paralalepípedos de rua, ou as gretas e bermas de campos de cultivo e pousios, onde ela, frágil e prostrada, não surja no Verão. Com um ciclo de vida anual, depende bastante da sorte para se manter em tais habitats; mas, quando o solo é seco, arenoso e com baixa ocupação, forma tapetes densos e muito macios pela penugem que cobre toda a planta.

Sendo tão inconspícua, admiramo-nos que tenha nomes populares. Uma breve consulta a manuais de farmacopeia, porém, revela a razão: talos e folhas têm propriedades medicinais muito benéficas, embora agora em desuso. Não surpreendentemente, quase todas as designações se referem a detalhes morfológicos das folhas, afinal a parte mais visível da planta: salsinha, falsa-salsa, pé-de-leãozinho. Para além das folhas em leque, muito divididas e sem pecíolo, consegue-se notar como as flores minúsculas, esverdeadas, hermafroditas e apétalas, se aninham bem aconchegadas na base das folhas e protegidas pelas estípulas. Este pormenor justifica o nome dew cup (taça de orvalho) que lhe atribuem em inglês.

O género Aphanes abriga umas vinte espécies, das quais cinco estão registadas em Portugal. São de facto todas muito parecidas, mal se distinguindo pelo formato e tamanho das estípulas, das flores e dos frutos, sobretudo quando são plantas jovens. Alguns estudos apontam também para um acentuado parentesco (genético, do que não se vê) entre estas espécies e as do género Alchemilla. Uma mudança taxonómica aumentaria o nosso contingente neste último género, de que só se conhecem as populações de Alchemilla transiens da serra da Estrela.

3 comentários :

bea disse...

Que seja da família das rosas é que é grande novidade para mim.

M.Manuela Carvalho disse...

O que eu aprendo aqui! Conheço muito bem esta plantinha e nunca imaginei que fosse aparentada das roseiras. Grata, Amigos, pelas maravilhas que me dão a conhecer!
Maria Manuela Carvalho

José Batista disse...

Talvez valha a pena referir que a família das "Rosaceae" é um grupo alargado de plantas com um número muito elevado de espécies, desde árvores de grande porte, incluindo a maioria das nossas árvores de fruto: pereiras, macieiras, cerejeiras, pessegueiros, marmeleiros, etc., mas também arbustos (por exemplo, as silvas) ou herbáceas: umas frutíferas comestíveis (como é o caso dos morangueiros) e outras não.