21.6.05

«Meu coração é um tanque
Cheio de água, mete medo:
Abre-te meu coração
Vai regar o arvoredo.»

Para os amigos do Sargaçal que hoje esteve a arder (ainda estará?)

4 comentários :

cerveira pinto disse...

Viver na aldeia é agora também, em cada Verão, sinónimo de viver no medo...
Como se já não bastasse o despovoamento; a desertificação; o abandono das casas; das terras; das culturas; das tradições; da alma...
Hoje é um dia triste...

Solariso disse...

Aos que conhecem a dura realidade dos fogos florestais, saibam que não estão sós. Partilhamos a V/ tristeza, talvez assim seja mais leve para todos.

Ponto Verde disse...

O Seixal era um dos concelhos mais florestados do país, mas o betão tem avançado, só que antes do betão chegar, são de fumo os sinais que a floresta vai desaparecer.

Como se isso não bastasse, as àrvores que dificilmente arderiam têm outro destino veja qual no www.a-sul.blogspot.com

Anónimo disse...

Ah, obrigado Manuela. E a todos os outros também.
Já não arde. Ardeu durante umas cinco longas horas, o nosso e mais uns quatro em baixo. Atearam num desses terrenos, no mesmo local de há dois anos. A água armazenada, as mangueiras e estar mais ou menos limpo permitiu controlar os estragos.
Mas nem todos. Não me consigo esquecer que anda ali um canalha criminoso a rondar. Sabe-se lá com que motivação. É ali e no país todo.
Lá se foram umas dezenas das nossas queridas árvores. Muito triste isto.
Hoje acordei mais cansado que sei lá o quê. Não me apetece fazer nada. -- JRF