17.4.19

Histórias da Lista Vermelha: Senecio bayonnensis

Senecio bayonnensis Boiss. [sinónimo: Senecio nemorensis subps. bayonnensis (Boiss.) Nyman]


Há plantas que passam despercebidas pela sua pequenez ou pela modéstia das suas flores, mas desta erva-loira (como é uso chamarmos às compostas do género Senecio), capaz de ultrapassar a altura de um adulto e senhora de uma floração exuberante, dir-se-ia que o mais difícil é não a ver. No entanto, quando em Julho de 2018 o biólogo Paulo Pereira, membro da equipa da Lista Vermelha da Flora de Portugal, a encontrou em Castro Daire, foi a primeira vez que alguém por cá a observou a sul do Douro. Até então, a planta só era (mal) conhecida nos arredores da aldeia de Alcobaça, em Melgaço, no extremo norte do país. E o que se encontrou não foram dois ou três exemplares refugiados num esconso só acessível por maus ou inexistentes caminhos. Entre as aldeias de Almofala e Bustelo, um rio Varosa ainda na infância, vigiado por uma estrada que lhe acompanha as voltas, serpenteia tranquilamente no seu planalto à sombra de freixos e amieiros, rodeado por lameiros e cultivos. Nenhum pescador (se houver que pescar, e se a pesca for autorizada) terá dificuldade em escolher nas suas margens poiso que lhe agrade. Quem diria que um rio assim plácido se prepara (ou preparava, quando não havia barragens) para uma descida tumultuosa até ao Douro? Pois é nesse troço manso do rio, ao longo de quase dois quilómetros, que este Senecio bayonnensis vai aparecendo com infalível regularidade, aqui e ali aproveitando algum abandono dos campos para reforçar um contingente que atinge as centenas de exemplares. Há que dizê-lo: plantas deste tamanho às centenas vêem-se demasiado bem. Como é possível que até 2018 ninguém tenha dado por elas?

Portugal sempre teve um défice de naturalistas - ou seja, de pessoas que, à paixão esclarecida (passe o paradoxo) pelas coisas da natureza, aliem o interesse em conhecer o seu país; pessoas que não se fiquem pelo deslumbre fácil com a paisagem e sejam capazes de nomear os elementos que a compõem. Os locais mais atraentes (Gerês, Estrela, Algarve, vale do Douro) ou mais acessíveis (faixa litoral do país) do nosso território monopolizaram durante muitas décadas o interesse dos profissionais, e o resultado é que sobram ainda vastas parcelas por explorar e segredos por descobrir. Mas os profissionais não chegam para as encomendas, e na maioria dos países civilizados o conhecimento detalhado da distribuição dos "valores naturais" depende sobretudo do contributo de amadores. Em Portugal, portais como o Flora-On têm-nos vindo a aproximar a passos largos dessa salutar meta.

A julgar por tão eloquente amostra, é de supor que o maciço de Montemuro seja dessas parcelas do país que os botânicos (profissionais ou amadores) esqueceram - ou, se não esqueceram, terão explorado de forma pouco sistemática. A juntar a essa razão geral há uma questão prática: mesmo uma planta tão conspícua como o Senecio bayonnensis pode não ser avistada se não passarmos por ela na época certa; neste caso, entre Julho e Agosto, quando está em flor.

Na Alcobaça de Melgaço não há mosteiro, mas um rio, de seu nome Trancoso, que, apesar de estreito e com menos de dez quilómetros de extensão, tem a glória de ser 100% internacional, assegurando a fronteira entre o Minho e a Galiza ao longo de todo o seu percurso. É nas margens do rio, e também na orla dos campos e bermas de caminhos em redor da aldeia, que se concentra a população nortenha do Senecio bayonnensis. Foi nessa mesma Alcobaça que Gonçalo Sampaio viu e colheu a planta em 1919, e é uma boa notícia que um século depois a população se mostre tão vigorosa. Curiosamente, no mesmo concelho de Melgaço, dois ou três quilómetros a sul, já dentro do Parque Nacional da Peneda-Gerês, vegeta a única população portuguesa de uma outra erva-loira de grande porte, o Senecio doria. As duas plantas distinguem-se facilmente pelas folhas: de margens inteiras e quase todas basais no S. doria, de margens dentadas e distribuídas de alto a baixo do caule no S. bayonensis.

Apesar de a existência destas espécies no nosso país estar documentada desde os tempos de Sampaio, não tem sido pequena a confusão à volta delas. João do Amaral Franco (Nova Flora de Portugal, vol. II, 1984) nega a ocorrência de S. doria em Melgaço e afirma que só a outra erva-loira, a que ele chama S. nemorensis subsp. fuchsii, está presente em Portugal. São dois os erros cometido por Franco; o segundo deles (o nome atribuído à planta) tem sido reproduzido por muitos autores e foi incorporado na Checklist da Flora de Portugal publicada em 2010. A obra Flora Europaea (de que a de Franco é uma tradução adaptada) reconhece, no seu vol. IV (1976), duas subespécies de S. nemorensis: a subsp. nemorensis e a subsp. fuchsii. Uma observação atenta não deixa dúvidas de que as plantas presentes no nosso país apresentam caracteres morfológicos mais próprios da subespécie nominal do que da subsp. fuchsii (as brácteas suplementares são tão ou mais compridas do que o invólucro; as folhas são largas, com uma relação comprimento-largura muito inferior ao valor 5-7 indicado para a subsp. fuchsii; e a parte superior dos caules é pubescente). É pois de crer que Franco, ao decretar que o que há em Portugal é a subs. fuchsii, nem sequer cuidou de examinar os exemplares de herbário.

Entretanto, houve alguma evolução no tratamento taxonómico do S. nemorensis e espécies aparentadas. O nome actualmente aceite para a planta que ocorre na Península Ibérica (e que é um quase-endemismo ibérico, existindo em França apenas na região de Baiona) é Senecio nemorensis subps. bayonnensis, que alguns preferem tratar como espécie autónoma sob o nome de Senecio bayonnensis. (Na Flora Europaea, S. nemorensis subps. bayonnensis é considerado sinónimo de S. nemorensis subps. nemorensis.)

Mesmo com a descoberta da população de Casto Daire, esta erva-loira continua a ser extremamente rara e vulnerável em Portugal. À luz dos critérios da UICN, a equipa da Lista Vermelha considera que esta espécie está "Em Perigo". Independentemente do nome e do estatuto taxonómico que se lhe atribua, é merecedora do mais alto grau de protecção.

11.4.19

O Homem que Plantava Árvores

nova edição ilustrada


Acabada de sair, eis uma primorosa nova edição, em capa dura e grande formato, do clássico conto ecologista de Jean Giono. A tradução é de Abílio Santos, as ilustrações são de Teresa Lima, e o posfácio é assinado por mim. O livro inclui ainda uma informativa nota final de José Carlos Costa Marques sobre a vida e a obra de Jean Giono, e sobre o significado e impacto deste conto.
Editou a Campo Aberto - Associação de Defesa do Ambiente. O preço de capa é de 13,5 €, mas os sócios pagam apenas 10 €.
Informações e encomendas: contacto@campoaberto.pt

8.4.19

Histórias da Lista Vermelha: Succisella carvalhoana



Succisella carvalhoana (Mariz) Baksay



Uma Lista Vermelha de espécies, sejam elas animais ou vegetais, indica aquilo que, por estar em risco de desaparecer num certo território, é merecedor de protecção. Idealmente, tal protecção passaria por medidas activas de conservação: recuperação de habitats, reforços populacionais, minimização de ameaças. Em Portugal, onde ao descaso pela natureza se junta a falta de dinheiro, é de recear que essa protecção se fique apenas, na generalidade dos casos, pela recomendação de não se destruir. O que, valha a verdade, já não seria mau. Se algum dia uma barragem no nosso país deixar de ser construída para não se afogarem plantas ameaçadas, então já terá valido a pena elaborar a Lista Vermelha da Flora Vascular de Portugal Continental (LFV), projecto agora em curso que estará concluído no próximo mês de Junho.

Portugal será então o último país europeu (pelo menos o último da União Europeia) a dispor de uma Lista Vermelha da Flora. Durante os anos de construção desenfreada de auto-estradas, barragens e parques eólicos, as únicas espécies vegetais com algum grau de protecção eram as que constavam dos anexos da Directiva Habitats, datada de 1992 mas com vários aditamentos posteriores. Muitos botânicos se queixaram do desfasamento entre essa directiva europeia e o verdadeiro grau de ameaça das espécies presentes em território português: embora algumas espécies indiscutivelmente raras fossem protegidas, a grande maioria delas ficou de fora; e várias das espécies listadas na Directiva não justificam qualquer protecção especial (um exemplo óbvio é a gilbardeira).

Uma das plantas esquecidas pela Directiva Habitats é a Succisella carvalhoana. Atendendo ao habitat paludoso e à semelhança com as plantas do género Scabiosa, a cuja família aliás pertence, não será desajustado chamar-lhe escabiosa-dos-pauis. As diferenças mais marcantes para as verdadeiras escabiosas estão nas flores de quatro pétalas (em vez de cinco) e nos frutos (compare as fotos acima com esta). No âmbito da LFV, a escabiosa-dos-pauis, como todas as mais de 600 plantas-alvo do projecto, foi avaliada à luz dos critérios da UICN, e ficará com o estatuto de "Em Perigo".

Descrita em 1890 por Joaquim Mariz, botânico na Universidade de Coimbra, sob o nome de Succisa carvalheana, a escabiosa-dos-pauis habitava margens de lagoas, charcos temporários, valas e outros lugares alagadiços da faixa litoral entre o Mondego e o Douro. Enfim, um tipo de habitat que, por força da expansão urbana e do aproveitamento agrícola e florestal dos terrenos, tem recuado a grande velocidade numa das zonas mais povoadas do país. A planta já existiu em Vila Nova de Gaia (onde foi colhida pela última vez em 1979), em Coimbra e em diversos outros lugares onde hoje é impensável encontrá-la. Foi de tal ordem a destruição que até há poucos meses o seu último reduto conhecido era junto à Pateira de Fermentelos, onde na mais recente visita foram contadas quatro plantas. Em 2004, os espanhóis Francisco Amich, Juan A. Devesa e Sonia Bernardos, autores do artigo Taxonomic revision of the genus Succisella (Dipsacaceae) in the Iberian Peninsula, não lograram encontrar a planta em nenhuma das localidades portuguesas onde ela havia sido assinalada.

A boa notícia é que as nossas fotos não foram tiradas na Pateira de Fermentelos, e que nesse outro local, algures entre Vagos e Cantanhede, eu e a Maria encontrámos centena e meia de exemplares da planta, espalhados por uma área ampla entre charcos, matos baixos, salgueirais e plantações de eucaliptos. A produção de flores e frutos era abundante; e, a menos de catástrofe ou de intervenção destrutiva em larga escala, a planta dificilmente desaparecerá dessa zona.

O sumiço quase completo da Succisella carvalhoana originou um episódio invulgar: uma outra planta do género Succisella, essa existente em Espanha, fez-se passar por ela numa autêntica usurpação da identidade. Em 1980, uma dita «Succisella carvalhoana» foi detectada em Espanha, na província de Salamanca, e mais tarde a mesma planta foi reencontrada em várias outras províncias espanholas. Ninguém parece ter posto em dúvida essa identifcação, e quando foi feita a revisão do género Succisella para a Flora Iberica (pelos autores do artigo atrás referido) as plantas do litoral português não foram tidas em conta, por não terem sido encontrados exemplares vivos. Resultado? A descrição da Succisella carvalhoana nessa obra não se ajusta às plantas portuguesas, as únicas que legitimamente podem usar esse nome.

No vol. 2 (de 1984) da sua Nova Flora de Portugal, Franco informa que as folhas caulinares da planta são lineares ou linear-lanceoladas, enquanto que a Flora Iberica descreve as folhas caulinares médias como "linear-lanceoladas, de pinatífidas a pinatissectas". Esse carácter pinatífido ou pinatissecto das folhas é omitido não apenas por Franco, mas também por Xavier Coutinho (Flora de Portugal, 2.ª ed., 1939), que informa serem as folhas caulinares "inteiras ou subinteiras"; e, além disso, também não há menção dessa característica na descrição original da planta por Joaquim Mariz.

As plantas existentes no litoral português, e que serviram de base às descrições de Mariz, Coutinho e Franco, apresentam folhas caulinares invariavelmente inteiras, facto que confirmámos tanto nos exemplares vivos como (por amabilidade de Filipe Covelo) nos que estão guardados no herbário da Universidade de Coimbra. Por outro lado, as plantas espanholas já apresentam folhas caulinares médias pinatífidas ou pinatissectas. Além disso, as folhas basais das primeiras são muitas vezes obovado-espatuladas, enquanto que as das segundas são quase sempre lanceoladas. Outra diferença importante está no invólucro dos frutos, que são de um vermelho carregado nas plantas espanholas e de uma cor amarelada próxima do bege nas plantas do litoral português.

Quando o equívoco for desfeito, a verdadeira Succisella carvalhoana recuperará o seu legítimo estatuto de endemismo português, e a usurpadora terá que adoptar outro nome. Mas essa outra planta não ficará a ser um endemismo espanhol, visto que em 2017 a botânica Adelaide Clemente a encontrou do lado de cá da fronteira, no concelho do Sabugal. As fotos da «Succisella carvalhoana» que constam do portal Flora-On são dessa planta raiana, e poderão servir ao leitor para conferir as diferenças.

2.4.19

Das 9 às 5



Fagonia cretica L.


Esta é uma planta muito rara em Portugal, havendo apenas registo de uma escassa população na serra da Arrábida. Presumimos que já tenha sido mais frequente ao notar como é comum noutras paragens e pouco exigente com o habitat: servem-lhe fendas de rochas, cascalheiras ou arribas perto do mar, bermas de estrada ou campos em pousio desde que em locais soalheiros, secos e arejados, onde ela estende tapetes de folhas trifoliadas e talos espinhosos, salpicados por belas flores violeta com cerca de 2 cm de diâmetro. O único senão é que o horário de abertura das flores é reduzido.

Na Península Ibérica ocorre apenas esta espécie do género Fagonia, a única nativa da Europa mediterrânica, entre mais de três dezenas distribuídas por regiões desérticas na América, África e Ásia. A F. cretica (a que, antes de Lineu, em 1620, o botânico suíço Caspar Bauhin chamou Trifolium spinosum Creticum) é fácil de avistar no sul de Espanha, nas ilhas Canárias (onde a vimos) e nas Baleares, havendo registo pontual dela no norte de África.

Da mesma família, Zygophyllaceae, e do género Tribulus, conhecemos dos areais à beira mar e de sítios secos no interior a espécie T. terrestris, igualmente anual, espinhosa e prostrada mas muito mais abundante por cá. No portal Flora-on pode comparar os frutos angulosos das duas espécies - os quais, por razões que se adivinham, nascem bastante perto dos espinhos.

Sendo tão pouco avistada, não é surpresa que a Fagonia cretica não tenha nome vernáculo em português. Em espanhol é o manto de la Virgen, metáfora que em catalão se engrandece, passando a ser mantellet de la Mare de Déu. O nome do género homenageia Guy-Crescent Fagon (1638-1718), médico (que a história recorda como inábil) de Louis XIV e director do Jardin royal des plantes, onde se destacou como notável promotor do intercâmbio científico e de inúmeras expedições naturalistas à América Latina.

25.3.19

Globos azuis


Globularia salicina Lam.


Há quem se interrogue sobre a existência da Macaronésia, que seria a região biogeográfica formada pelos arquipélagos dos Açores, Madeira, Canárias e Cabo Verde. Não se trata de dúvidas solipsistas sobre a realidade dessas ilhas, mas sim de saber se, além da circunstância de todos esses arquipélagos se localizarem no Atlântico norte, há ou não afinidades marcantes entre, por exemplo, a vegetação natural dos Açores e a das Canárias. É tentador responder de imediato que não: como poderá uma ilha hiper-húmida e verdejante como as Flores ter algo em comum como uma ilha semi-desértica como Lanzarote? Acontece que mesmo dentro de cada arquipélago o panorama não é uniforme, e a Graciosa, nos Açores, é mais seca e menos arborizada do que as ilhas de La Gomera e La Palma, nas Canárias. Assim, em vez de nos determos em impressões gerais, podemos responder a perguntas concretas como esta: há plantas endémicas comuns aos quatro arquipélagos da Macaronésia? Sim, uma única, o nosso bem conhecido dragoeiro (Dracaena draco). Lista tão curta deveria invalidar sem apelo nem agravo o conceito já de si dúbio de Macaronésia. Contudo, seduz-nos a ideia de que em cada arquipélago a vegetação guarda memória, ainda que ténue, da do arquipélago vizinho. Os fetos da laurissilva madeirense são, em grande parte, os mesmos que encontramos nas florestas açorianas, e há pelo menos quatro fetos quase-endémicos que estão presentes nos Açores, Madeira e Canárias: Woodwardia radicans, Diplazium caudatum, Pteris incompleta e Culcita macrocarpa. O loureiro dominante na Madeira (Laurus novocanariensis) reaparece nas Canárias; e, tendo sido até há poucos anos considerado da mesma espécie, não será muito diferente do loureiro açoriano (Laurus azorica). Nas plantas de floração vistosa as coincidências são em muito menor número: a somar ao dragoeiro temos apenas o Ranunculus cortusifolius, que é conhecido nos Açores como bafo-de-boi e na Madeira como douradinha, e que, sendo endémico dos três arquipélagos, apresenta importantes variações inter-insulares.

A Globularia salicina, cujo nome se pode traduzir por globulária-de-folhas-de-salgueiro, é um dos endemismos partilhados entre a Madeira e as Canárias. Já a tínhamos visto em Maio de 2016 no Porto Santo, refugiada no topo do Pico Branco, e reencontrámo-la em Dezembro do mesmo ano na Madeira, mas em nenhuma dessas ocasiões lhe vimos as flores. O enguiço foi quebrado em Dezembro de 2017, em Tenerife, ilha onde as plantas desobedecem sistematicamente às épocas de floração que alguns autores lhes prescrevem.

As flores deste arbusto, reunidas em capítulos axilares de cerca de 1 cm de diâmetro, são típicas do género Globularia, como o leitor pode confirmar nesta página. Contudo, a globulária-de-folhas-de-salgueiro, além de ser uma planta lenhosa, destaca-se pelo porte erecto e pela envergadura, e é capaz de alcançar 2 metros de altura. As folhas estreitas, de formato elíptico, são glabras e têm de 4 a 8 cm de comprimento. Tanto na Madeira como em Tenerife, é uma planta frequente e às vezes abundante em lugares soalheiros a média altitude, sobretudo nas vertentes viradas a sul.

Camarinhas no Buçaquinho

20.3.19

Não são cactos

La Graciosa, a norte das Canárias, a menor ilha habitada do arquipélago, é um pequeno deserto com muito vento, assolada por frequentes tempestades de areia e sem fontes de água potável. O acesso a partir de Orzola, em Lanzarote, faz-se em barcos que mal fintam as vagas agitadas do oceano que separa as duas ilhas. São vinte minutos de travessia até à povoação Caleta del Sebo, na costa sudeste da ilha, com casinhas brancas embelezadas com motivos azuis, e cerca de setecentos habitantes que têm acesso a água do mar dessalinizada e sabiamente dispensam as estradas pavimentadas.



Esperavam-nos uma frota de veículos todo-o-terreno e muitas bicicletas, que a maioria dos turistas aluga para percorrer os cerca de 5 km até à bela Playa de las Conchas. Recusámos, para seguir a pé pelo estradão de terra batida, feita de cinzas vulcânicas e areia, ladeado por vegetação de duna secundária à beira-mar. O ambiente era árido mas a temperatura sentia-se cálida, como é usual em Dezembro por estas paragens. Dirigimo-nos à Montanha Bermeja, um dos cinco grandes vulcões da ilha La Graciosa, que a erosão tem vindo a reduzir a um monte de altura modesta (cerca de 150 m). Procurávamos uma planta suculenta, endemismo raro de Lanzarote e Fuerteventura.



A cerca de meia altura da montanha de cor vermelha, exposto ao sol e à maresia, notámos um tapete de talos suculentos, erectos, com cerca de 20 cm, de secção quadrangular e cor esverdeada a tender para o cinzento. A floração estava em curso, e por sorte alguns exemplares já exibiam frutos. São ambos, flores e frutos, de aspecto magnífico a que vale a pena prestar atenção. A corola de tubo curto tem cinco lóbulos castanhos, quase púrpura, a lembrar os do Vincetoxicum nigrum e salpicados de penugem branca; abrigam uma estrutura amarela que parece uma flor dentro da flor maior. Os frutos, formando dois corninhos como é usual na família Apocynacea, confirmam que a Caralluma não é um cacto, apesar de a morfologia desta planta bizarra resultar, com toda a probabilidade, de uma adaptação à secura e ao calor, como acontece às suas congéneres no norte de África e aos cactos nos desertos das Américas.


Caralluma burchardii N. E. Br. var. burchardii


O epíteto específico é dedicado a Oscar Burchard (1863-1949), botânico alemão que viveu em Tenerife e a quem se deve a descrição de inúmeras espécies da flora das Canárias.

9.3.19

Mostarda das mil folhas


Descurainia millefolia (Jacq.) Webb & Berthel.


Não consta que a planta acima exposta tenha vocação culinária, mas o nome com que a apresentamos desculpa-se porque ela, além de pertencer à mesma família botânica, dá flores amarelas como as verdadeiras mostardas (Sinapis alba ou Brassica nigra). As mil folhas mencionadas em título aparecem também no nome científico, e tanto podem dever-se ao óbvio carácter folharudo da planta como à semelhança dessas mesmas folhas com as da Achillea millefolium, conhecida em Portugal como milefólio ou milfolhada.

O polissilábico nome genérico Descurainia homenageia o francês François Descourain (1658-1740), médico, boticário e naturalista numa época em que essas ocupações se confundiam. Com essa informação percebemos que a pronúncia correcta de Descurainia até para os franceses há-de ser um mistério. Mais importante é saber que na flora europeia o género é representado por uma única espécie, Descurainia sophia, herbácea anual de porte elevado (até 1 m de altura) e distribuição cosmopolita que também ocorreria no nosso país mas não é aqui vista há décadas, e que na América do Norte há pelo menos treze espécies nativas. As Canárias contam com sete espécies de Descurainia, todas endémicas, já não herbáceas anuais mas sim plantas arbustivas de base lenhosa, três delas presentes em Tenerife.

A Descurainia millefolia é frequente em Tenerife em ladeiras secas a altitudes pouco elevadas, entre os 200 e os 1000 metros. Atinge não mais que um metro de altura e as suas folhas são tripinadas, surgindo em tufos nas extremidades dos ramos. As flores amarelas apresentam as quatro pétalas em cruz que são de lei na família das crucíferas. A foto acima mostra umas flores bastante estranhas, pois o normal é que fossem como o leitor pode ver nesta página. Talvez a floração fora de época (em Dezembro quando deveria ser de Março a Maio) tenha levado a planta a inovar no design das pétalas, mas o mais provável é tratar-se de uma anomalia sem cura possível. Nada de inédito: grande parte do comércio hortícola passa por domesticar e reproduzir as aberrações que, uma vez por outra, são produzidas espontaneamente em estirpes de plantas até então normais. Talvez tenhamos desperdiçado um grande negócio ao não colhermos sementes deste anómalo exemplar de Descurainia millefolia.

4.3.19

Narcisos das Canárias

Os objectos - os belos - são flor sem raiz: caem facilmente. A obra de arte da barbárie tem no terramoto a sua ideologia pura: as tempestades são absolutamente ilegais, grita um juiz, e um vento estranhamente manso no meio da gritaria vira página a página o livro de leis, como se o consultasse.
Gonçalo M. Tavares, Uma viagem à Índia, Caminho, 2010



Pancratium canariense Ker-Gawl.


Da família dos narcisos, esta planta de flores brancas e perfumadas, a que alguns chamam açucenas, tem um parente próximo nas nossas areias à beira-mar. Porém, ao contrário do continental Pancratium maritimum, a espécie endémica das ilhas Canárias não gosta de sol forte, nem de terreno arenoso ou pouco fértil e, em vez de dunas, prefere empoleirar-se em taludes com algum resguardo mas sem humidade excessiva. Assim caprichoso e bem alimentado, não surpreende que apresente umbelas mais vistosas e seja em geral mais alto, chegando aos 80 cm de altura, o que é quase o dobro da altura do narciso-das-areias, que tende a rastejar nas dunas para evitar a agressão dos ventos marítimos. As hastes florais do P. canariense são erectas e num tom verde saudável (ou menos glauco), optando sensatamente por florir no Outono (Outubro-Novembro no hemisfério norte) e por hibernar nos meses mais quentes. Se só tivermos em conta a época de floração, então é plausível que a espécie canariense descenda de plantas do norte de África, pois aí as especies do género Pancratium têm frequentemente um curto período de crescimento e a floração decorre durante a época mais fresca do ano. Os frutos do P. canariense (e também do P. maritimum) são pequenos, ovóides e leves, de casca impermeável e polpa fibrosa; as sementes têm uma testa esponjosa, como cortiça, que as ajuda a flutuar no mar até encontrarem terra firme e promissora.

23.2.19

Cinerárias & pés de cavalo


Pericallis tussilaginis (L`Her.) D. Don


No tempo em que nesses locais eram permitidas flores, os jardins públicos do Porto costumavam ser enfeitados, em certas épocas do ano, por uns malmequeres muito garridos e floribundos, com cores quentes variando entre o rosa, o branco, o roxo e o vermelho, aqui e ali com apontamentos azuis. Tratava-se da cinerária-dos-floristas -- que, como muitas outras plantas efémeras, era produzida nos viveiros municipais e, transplantada para os canteiros, vivia umas breves semanas de glória até ser substituída quando perdesse o viço.

Existe um género botânico com o nome Cineraria, exclusivo da metade sul do continente africano, mas a cinerária-dos-floristas, com origem nas ilhas Canárias, integra-se no género Pericallis, antes incluído no género Senecio. Trata-se de um híbrido hortícola, criado em Inglaterra no último quartel do século XVIII, entre duas espécies tenerifenhas: Pericallis cruenta e Pericallis lanata. O seu nome científico correcto é Pericallis X hybrida e não, como muitas vezes aparece, Senecio cruentus, nome que só é legítimo aplicar a uma das suas progenitoras.

Existem Pericallis em três arquipélagos da Macaronésia: uma espécie nos Açores, uma na ilha da Madeira e outra no Porto Santo, catorze nas Canárias. Há certamente fortes razões de queixa por partilha tão desigual. No entanto, a açoriana Pericallis malvifolia é das mais vistosas do género e, sem ter beneficiado de apuramento hortícola, suplanta em variedade de cores qualquer uma das espécies canarinas. Já em envergadura a vantagem não é tão clara, pois nas Canárias há Pericallis de todos os tamanhos. A que mostramos nas fotos, Pericallis tussilaginis, é pequena, com 50 cm de altura máxima, e, em vez das amplas umbelas da Pericallis malvifolia, apresenta inflorescências reduzidas a quatro ou cinco capítulos, cada um com 3 a 5 cm de diâmetro. As brácteas involucrais glabras e os florículos centrais de cor creme permitem diferenciá-la da P. cruenta, que é uma planta algo maior e apresenta em regra floração mais abundante.

O arrevesado epíteto específico explica-se pela semelhança das folhas da Pericallis tussilaginis com as do Tussilago farfara, uma estranha asterácea, comum nas montanhas do norte da Europa, em que as flores surgem desacompanhadas por folhas logo após o degelo, e que os ingleses conhecem como coltsfoot.

18.2.19

Jasmim das ilhas




Jasminum odoratissimum L.
Se o leitor nos visita de vez em quando, ou consulta assiduamente o portal Flora-On, decerto reconhece um jasmim nas fotos anteriores. Bastam-lhe, para isso, as flores, mas anote também as folhas trifoliadas, um pouco coriáceas e de um verde escuro. São detalhes comuns ao Jasminum fruticans, a única espécie (em cerca de duzentas) do género Jasminum que é nativa da Península Ibérica, e por cá amplamente distribuída. Contudo, o parente das Canárias é um arbusto em geral mais alto (pode chegar aos 4 metros de altura) e de copa mais volumosa. Sendo plausível que haja algum parentesco com as espécies continentais, como e com que vantagens ganhou essa estatura ao colonizar as ilhas Canárias?

Pergunta idêntica se fez já relativamente aos dinossauros que, dizem os registos fósseis, terão começado pequenos e só milhões de anos mais tarde atingiram o porte gigante. Os animais terrestres têm de se manter aquecidos (o que, curiosamente, parece ser mais fácil para corpos volumosos), bem alimentados (complicado de assegurar sendo os recursos vegetais ainda escassos, mas mais acessível a bichos grandes de pescoço longo), com um peso que as pernas suportem (obrigando a ossos porosos e a cabeças leves) e confiantes num metabolismo que gaste mais energia a fazer crescer o corpo do que a mantê-lo oxigenado. Quanto às plantas, as limitações são aparentemente menores, mas elas dependem igualmente de um habitat protegido de ventos e tempestades, com solo estável e recheado de nutrientes, e de uma atmosfera propícia. E se, em vez de um substrato pedregoso, seco e pobre, numa região fria, dispõem nas ilhas de clima ameno, de uma orla de zambujal ou de um talude soalheiro à beira-mar com solo nutrido, húmido e bem drenado, por certo não hesitam em aproveitar a sorte e, sem querer, crescem, acedem a mais luz, ampliam a folhagem e, verdejantes e perfumadas, atraem mais polinizadores. Assim nasce uma nova espécie, obrigando a mais uma entrada nas Floras.

Florindo entre Dezembro e Abril, o Jasminum odoratissimum foi descrito por Lineu em 1753 e é uma espécie endémica da ilha da Madeira e das Canárias. As flores, colhidas de manhã cedo, são usadas para aromatizar tisanas; das pétalas retira-se um óleo (não se surpreenda, afinal a planta é da família Oleaceae) muito apreciado em perfumaria.

9.2.19

Bicos & patas


Geranium reuteri Aedo & Muñoz Garm. [sinónimo: Geranium canariense Reut.]


Muitas espécies de Geranium e Erodium, dois géneros aparentados, têm, em várias línguas, nomes comuns que evocam bicos de aves, sejam elas cegonhas, grous ou pombas. A inspiração para tais nomes vem dos frutos estreitos e muito compridos (o bico da pomba, porém, é grosso e curto, o que torna inexplicável a escolha dessa ave neste contexto), cujas paredes laterais se enrolam explosivamente, arremessando as sementes para longe como catapultas (foto aqui).

O bico não é a única parte da anatomia das aves associada aos gerânios. A forma das folhas justifica que, nas Canárias, se chame pata-de-galo ao endémico Geranium reuteri (ex-Geranium canariense), comparação que, pelo testemunho das fotos, é um tudo-nada forçada. E não há nenhum rei de capoeira com patas de 25 cm de largura, pois são essas as medidas das folhas do avantajado gerânio canarino, uma planta que, quando em flor, pode atingir um metro de altura, envergadura inalcançável por galináceos normais.

Este gerânio perene, tão característico das zonas mais umbrosas e húmidas das ilhas Canárias, está apenas ausente das duas ilhas mais áridas (Lanzarote e Fuerteventura). Em Tenerife aparece na metade norte e é muito frequente na laurissilva de Anaga, bordejando a estrada com mantos de flores roxas durante doze meses por ano.

Os nossos gerânios continentais (veja aqui uma galeria de retratos) fazem figura humilde face a este gigante, mas as semelhanças são muito vincadas (particularmente com o Geranium robertianum) e sugerem que estas plantas têm antepassados próximos comuns. São muitos os exemplos de plantas que na Europa eram ervitas humildes e nos arquipélagos atlânticos cumpriram uma insuspeitada vocação de grandeza. No que toca a gerânios, foi na Madeira, e não nas Canárias, que essa vocação mais plenamente se realizou: o gerânio-da-Madeira (Geranium maderense), que ao florir parece uma descomunal lanterna-chinesa presa ao chão em vez de pendurada no tecto, leva a palma a todos os seus congéneres em tamanho e beleza, e seduziu jardineiros em todo o mundo (excepto talvez em Portugal). É uma planta monocárpica: floresce uma única vez durante longos meses, quando já tem três ou quatro anos de vida, e logo depois morre; a sua descendência fica assegurada pelos milhares de sementes que liberta.

É também na Madeira que vive o Geranium palmatum, muito mais comum nos bosques da laurissilva do que o G. maderense. É muito semelhante ao gerânio das Canárias tanto no hábito como na folhagem, e as duas espécies são amiúde confundidas no comércio hortícola. Contudo, o G. palmatum tem flores bastante maiores (até 4,5 cm de diâmetro, contra 3 cm do G. reuteri), com o centro escuro (as do G. reuteri têm centro claro) e pétalas mais largas e arredondadas. Há também diferenças, embora não tão pronunciadas, na forma das folhas.