21.6.07

Azul-linho


Linum bienne

As plantas do género Linum gostam de pastos ao sol, rochosos ou pelo menos muito bem drenados, e mais de 30 espécies são espontâneas no sul da Europa. As flores duram um dia ou menos. Foi portanto por sorte que encontrámos, numa berma de auto-estrada, este espécime florido de Linum bienne. Salpicado de chuva e rodeado de erva fresca, dir-se-ia no lugar errado. Mas como reclamar, se nenhum utente de via rápida poderia estar ali especado a olhar para ela?

O termo bienne indica que se trata de planta que completa o seu ciclo de vida em dois anos, florindo e frutificando no segundo. Foi por isso a última vez que lhe apreciámos as belas flores.

Em português é conhecida como linho-bravo, e também linho-de-Inverno ou linho-galego.

4 comentários :

Paulo disse...

Ainda relacionado com os dois posts anteriores; esta teve sorte de florir antes de ser ceifada, como se está a tornar cada vez mais habitual nas bermas das nossas estradas e em jardins e rotundas (as que não foram betonadas). Em plena Primavera florida, vi uma maquineta a ceifar flores na vertente que desce da Estrada Nacional para o largo em frente do Mosteiro da Batalha. O que tinha sido um tapete colorido passou a ser uma espécie de coisa verde. Um entre muitos exemplos que tenho visto, infelizmente.

António P. disse...

Bom dia,

Como visitante diário decidi (??!!) atribuir-vos um MEME. Se forem ao meu blog percebarão o que é.
Desculpas por qualquer incómodo.
Cumprimentos

asn disse...

Nem me diga nada, amigo Paulo.
Vivo na zona de Leiria e tenho assitido, nos últimos anos, a essa cena. Dói ver essas bermas para lá das valetas, em plena floração, plantas ditas selvagens, em tufos lindíssimos de plantas, flores e cores as mais variadas, a serem ceifadas inapelavelmente. Ultimamente tenho andado a fotografar essas plantas/flores, algumas de géneros e cores excepcionais, que não se vêm com facilidade noutros locais públicos. É de crer que essas plantas florescçam todos os anos, nos separadores centrais e em algumas bermas, em virtude da movimentação de terras necessárias para os acabamentos das estradas e vias circundantes às cidades. mas que se apresentam todos os anos, com várias tonalidades, no mesmo local e em épocas do ano diferenciadas, isso é uma verdade, bela.
Julgo saber que a argumentação é prevenir possíveis focos de incêndio quando essas belas flores secarem no Verão.
Mas que é uma pená, lá isso é.
António N

Ver disse...

As ceifas nem é muito mau, sinistro mesmo, são as chamadas podas químicas que também se fazem nas bermas das estradas por esta altura.