15.10.07

Os ossos à mostra



Numa ilha pequena como a Terceira, o mar ocupa-nos todos os sentidos: se por momentos lhe fugimos da vista, é para logo o reencontrar. Mas, em vez de lhe fugir, tive vontade de chegar junto dele e de lhe pôr a mão. O que é muito fácil de fazer mesmo sem sair de Angra, onde há um pequeno areal cinzento num canto da baía, mas não era esse mar confinado que eu queria tocar. Pus-me a caminho na estrada para São Mateus da Calheta, mas logo notei que o mar, afinal tão próximo, tinha sido privatizado: entre ele e a estrada, vedando-nos o acesso, interpunham-se continuamente casas e terrenos privados. Até que, alguns quilómetros adiante, entre uma pastagem e uma quinta abandonada, abria-se uma vereda ligando a um lanço de escadas que descia pela falésia. Antes de descer, fotografei uma árvore - Melaleuca linariifolia, em primeiro plano na foto em cima -, o que me dá o indispensável pretexto para falar de mar e pedras num blogue sobre plantas: é que, ao contrário do que esperava, a vegetação à beira-mar poucas novidades tinha em relação à que conhecia de outras longitudes. Foi pois à matéria inerte das rochas, com a irrequieta colaboração do azul da água e do branco da espuma, que coube dar personalidade a este lugar. Tarefa cumprida com brilho: é uma ilha frágil, descarnada até ao osso, um osso negro como carvão, esta que se deixa despir pelas ondas.

2 comentários :

bettips disse...

A mim, as pedras parecem-me as árvores da praia, com vida entre elas, água, reflexos da luz. Na grande "roda de alimentos" do Universo. Abç

VN disse...

Pois é, esquecemo-nos muitas vezes que no fundo as ilhas são negras, é dessa cor o seu cerne. O manto verde é laminar.