6.2.16

Tomilhos mil



Thymus praecox subsp. britanicus (Ronniger) Holub

Três dias e duas noites na Cantábria forneceram-nos assunto florístico para quatro meses, mas tudo tem um fim e a nossa incursão espanhola termina hoje no trigésimo capítulo. O Thymus praecox é uma daquelas espécies alegadamente existentes em Portugal que encontrámos na Cantábria e nunca vimos por cá, seja por não as termos procurado com suficiente empenho, seja porque desapareceram ou estão em vias de desaparecer. De acordo com a Flora Ibérica, o tomilho-precoce deveria existir na serra da Estrela, e o mesmo se aplica ao Sedum candollei, mas ambos têm paradeiro desconhecido. O nome "tomilho-precoce", tradução à letra do nome científico, é mal justificado por uma época de floração que, estendendo-se de Maio a Setembro, não é especialmente temporã. Distribuído por grande parte da Europa central e ocidental, este tomilho é ecologicamente versátil, frequentando orlas de bosques, prados de montanha e fissuras de rochas, tanto em substratos ácidos como básicos.

Os tomilhos são perfumados, dão sabor à comida, e fazem boa figura num vaso ou no jardim. Não espanta serem muitos os tomilhos silvestres que foram domesticados pelo comércio hortícola. Entre eles conta-se o Thymus praecox - que, pelo seu porte rasteiro, abundante floração e resistência a condições atmosféricas adversas, é uma boa escolha para forrar canteiros ou para um jardim de plantas alpinas. Outro tomilho que forma tapetes rosados não menos atraentes é o Thymus caespititius, frequente na Madeira e nos Açores e nas serras xistosas da metade norte de Portugal.

Não fosse tratar-se de uma planta arrumadinha e compacta, o T. praecox poderia confundir-se, na folhagem e na forma das inflorescências, com o T. pulegioides, que aparece aqui e ali em Trás-os-Montes ao longo da fronteira com a Galiza. Mas o tomilho-das-pulgas tem hastes bem mais altas (20 a 30 cm contra uns 8 cm do T. praecox) e, por culpa do ar desgrenhado e da floração mais rala, é menos vocacionado para jardins.

1 comentário :

bea disse...

As coisas que eu aprendo neste blogue. Leva uma pessoa o tempo a temperar a vida com tomilho e nem faz ideia da planta de origem.Mas pronto, esta absurda falta de curiosidade atardou sem impedir.