28.6.16

Cravos de burro



Matthiola maderensis Lowe

Richard Thomas Lowe (1802-1874) descreveu esta espécie de Matthiola do arquipélago da Madeira em 1838, na revista Transaction of the Cambridge Philosophical Society. Tê-la-á avistado apenas em escarpas rochosas do litoral das ilhas da Madeira e Porto Santo, mas sabe-se hoje que também ocorre nas Desertas, e nós vimo-la nos picos mais altos do Porto Santo. Esta adaptação a uma dupla ecologia soa peculiar a quem, como nós, só conhecia a Matthiola sinuata, planta bienal ou perene, de folhas onduladas com um veludo branco-amarelado e espesso a protegê-las, que está agora em flor em areais junto ao mar (mas não serão muitos os veraneantes a vê-la porque é rara por cá) ou a Matthiola fruticulosa, herbácea perene de folhas esguias, igualmente revestidas por pêlos glandulosos amarelados, que prefere clareiras de matos, prados secos e solos calcários.

Um pouco menos peludo e de lanugem acinzentada, este goivo da praia e da serra (goivo-da-rocha ou cravo-de-burro, como o povo lhe chama) é um endemismo do arquipélago da Madeira e tem folhas lanceoladas, agudas e de margens geralmente inteiras, com as basais em roseta. É bienal ou perene, com um caule lenhoso e folhudo na base, o que se ajusta ao perfil de plantas que colonizam habitats desconhecidos e ventosos, e vão reagindo com cautela às novidades. Tal como as parentes continentais, as flores têm pétalas de cor violácea ou púrpura, e reúnem-se numa inflorescência vistosa de haste alta. Os frutos são silíquas cilíndricas, como os da M. sinuata.

Antes do ano 2000, havia goivos que perfumavam parte da beira-mar ao longo da avenida de Montevideu, plantados na base dos metrosíderos (estes estão agora em flor, sabia?). Eram talvez da espécie M. incana, muito usada em jardinagem e ocasionalmente naturalizada no litoral. Foram substituídos, durante uma famosa requalificação, por conchas, goivos de burro que também já desapareceram.

4 comentários :

José Moura Pereira disse...

Olá. Sigo o "Dias com árvores" há anos e gosto muito. Faço jardinagem como respiro mas não tenho formação específica além da prática familiar e da biologia do 12.º ano (depois, fui pela eng.ª de produção).
Peço desculpa por isto não ter relação com este post mas agradecia informação sobre o nome mais correcto da flor de Outono - Raquelina ou Riquelina?
Muito obrigado.

Paulo Araújo disse...

Os nomes vulgares têm o inconveniente de variarem muito e nem sempre designarem a mesma planta. Não conhecemos esses nomes (não os encontramos em nenhum dicionário de português nem de nomes botânicos) e não sabemos muito bem de que planta se trata... Será a Nerine bowdenii? Se for, mais vale chamar-lhe nerine, que é fácil de pronunciar. Flor-de-Outono é um nome inadequado, pois há muitas outras plantas que florescem nessa altura do ano.

bea disse...

Na verdade já observei exemplares muito semelhantes nas praias portuguesas. Acho-os uns goivos muito alegres

José Moura Pereira disse...

Fiz uma busca nas imagens do google por Nerine bowdeni e é na verdade a planta para a qual eu só tinha na remota memória algo como "raquelinas". Estou muito grato - estava completamente encalhado.