7.11.11

Feijão-verme


Scorpiurus vermiculatus L.

Há quem tenha tentado disfarçar dando-lhe nomes inocentes como cornilhão-esponjoso ou cornilhão-grosso, mas a verdade é que Lineu parece ter querido suscitar a nossa repulsa ao baptizar esta planta. E repulsa em dose dupla: o nome genérico Scorpiurus evoca a cauda do escorpião; o epíteto vermiculatus alude à semelhança com os vermes. Tudo isto é fantasia, claro está: a planta não morde, nem rasteja de forma repugnante na nossa direcção. De facto, quem a observa em flor dificilmente entende o motivo de tais comparações, ambas suscitadas pela forma contorcida ou eriçada das vagens. A cauda de escorpião será mais evidente noutras espécies do género (como o S. sulcatus), mas, no que ao verme diz respeito, o S. vermiculatus faz inteira justiça (como aqui se pode ver) à escolha de Lineu.

As plantas do género Scorpiurus, de que há três espécies espontâneas no nosso país (já antes falámos do S. muricatus), são peculiares entre as leguminosas por terem folhas simples (ou seja, não divididas em folíolos). O S. vermiculatus distingue-se dos seus congéneres por ser hirsuto (o S. muricatus é quase glabro) e, sobretudo, pela coloração das flores, amarelas no centro e alaranjadas no bordo. É uma planta mediterrânica anual, frequente no centro e sul de Portugal, que floresce na Primavera e surge em bosques, em pastagens, e em terrenos baldios ou cultivados. Tem caules mais ou menos prostrados, pouco ramificados, que não ultrapassam os 40 cm de comprimento; as folhas medem de 5 a 10 cm, e as flores, solitárias ou em conjuntos de duas ou três, surgem nas extremidades de longos pedúnculos nascidos das axilas das folhas.

3 comentários :

Carlos M. Silva disse...

Olá
Esta não a vi mesmo,lá em Sicó, mas também só fui lá duas vezes;acho que o tom amarelo e principalmente os dois tons das pétalas me não escapariam ao olhar; acho!
Obrigado por mostrarem esta belíssima fabaceae!
Carlos Silva

ZG disse...

Belo nome e excelentes fotos!!!

Paulo Araújo disse...

Olá, Carlos.

Esta planta em Sicó encontra-se nas orlas e clareiras dos carvalhais (não nas zonas mais áridas dos montes). Mas o período de floração é relativamente curto (Março-Abril).

Paulo