15.2.14

Menta de burro



Marrubium vulgare L.

Nome comum: marroio-branco; estranha-se que sendo uma planta aromática, muito penugenta, com folhas enrugadas e de pé longo que parecem orelhas de cachorro Basset Hound, o nome comum não revele que o povo tenha reparado nisso; em espanhol, chamam-lhe pelusilla, malva de sapo; em inglês, é conhecida como white horehound
Ecologia: espécie ruderal, é frequente em lugares áridos, terrenos incultos, bermas de caminhos e pastagens
Distribuição global: natural da Europa e norte de África, foi amplamente cultivada e assilvestrou-se em muitos outros sítios
Distribuição em Portugal: todas as províncias, com excepção do Minho
Época de floração: Fevereiro a Novembro
Data e local das fotos: Março/Maio de 2013, junto à estação abandonada de Almendra, na linha do Douro
Informações adicionais: O epíteto vulgare assenta-lhe bem: é quase cosmopolita, com uma estratégia esperta de disseminação pois os frutos têm ganchos para se agarrarem ao pêlo dos animais. Além disso, é planta perene, algo lenhosa na base. As hastes florais, de secção quase quadrada, atingem os 80 cm e nelas as flores, de corola branca e brácteas iguais a folhas, agrupam-se em verticilos densos. A floração pode durar alguns meses mas, em geral, apenas parte das flores em cada patamar estão desabotoadas (perdendo-se, claro, com tal racionamento algum efeito cénico). Cada flor é bilabiada, sendo o lábio superior bifendido (mais duas orelhinhas) e o inferior com três lóbulos pouco fundos. A polinização costuma estar a cargo de abelhas. Várias fontes indicam que esta herbácea foi usada medicinalmente para aliviar a tosse e problemas respiratórios; na Flora Ibérica acrescenta-se que ela era tida como bom remédio para os diabetes. Na Península Ibérica ocorrem mais duas espécies do género, M. alysson e M. supinum, das cerca de 40 que são naturais da Europa e Ásia; a maioria delas é nativa da Turquia, onde aliás se continuam a descobrir novos endemismos deste género.

4 comentários :

Carlos M. Silva disse...

Olá

Com os v/ conhecimentos estão sempre a causar-me um loop ao passado.
Conhecia o nome, conhecia a família e supostamente a planta também; olhando-a ..fui às minhas pastas de 2008 e 2010 do Parque da Cidade onde nomeei uma com este nome.
Pois não será! Raios.
As folhas são diferentes e a inflorescência não é tão abundante e mesmo a flor , comparando, não é igual.
Terei de me remeter a uma busca em breve.
Obrigado e abraço.
Carlos

bea disse...

Têm muita graça as folhas penduradas a armar em orelhas de qualquer bicho :).No resto, parece-me erva tão normal que passa despercebida.

Anónimo disse...

Na minha terra chamam-lhe Hortelã de Burro, embora nunca tenha visto burros comê-la.
Duarte Marques

Maria Carvalho disse...

Pois, os burros parecem reconhecê-las e não as confundem com hortelã, por isso não as comem. As pessoas é que por vezes se enganam e julgam ver hortelã onde nem cheiro há dela...