24.11.15

Azul tlim-tlim



Campanula scheuchzeri Vill.

Olhamos para esta campânula azul-lilás, de que vimos inúmeros exemplares em Tres Mares, na Cantábria, e não temos dúvidas: é a nossa campânula da serra da Estrela, a C. herminii. É certo que a das fotos é um pouco mais baixa, de folhas mais largas, algumas até cordiformes (como as da 3ª foto), e com mais flores num mesmo pé. E, concordamos, também se nota que, enquanto que os sinos da C. herminii são levantados, a mostrar bem o badalo, os das fotos, embora maiores, são pendentes. Pormenores, pensámos, que para o aspecto geral pouco contam e a que a ciência terá, como nós, encolhido os ombros. Pois sim. Hoje até já se sabe que estas duas campânulas tão iguais se distinguem no número de cromossomas, razão maior para a sua individualização como espécies. E, se tivéssemos esperado uns dias, confirmaríamos que, ao contrário do que acontece com a C. herminii, cuja folhagem persiste mesmo depois de as flores desabrocharem e serem polinizadas, na das fotos as folhas caem depois da antese.

Seja, suspiramos. Ganha-se assim um endemismo ibérico neste género, que se pode ver facilmente durante o Verão nos cervunais e prados da serra da Estrela (e também ocorre em Trás-os-Montes, a acreditar na Flora Ibérica e na obra de Amaral Franco, mas não sabemos onde). A distribuição da C. scheuchzeri é mais vasta, estende-se às montanhas do sul da Europa, e tanto ocorre em prados de montanha como em fendas de rocha ensolaradas.

Guardemos algumas linhas para lembrar o paleontólogo e naturalista suíço Jakob Scheuchzer (1672-1733), que Lineu homenageou com a designação desta campânula. A sua obra reúne informação sobre a flora alpina, achados fósseis e outros indícios de uma história natural e geológica da região suíça dos Alpes, que nem Scheuchzer nem os contemporâneos entendiam completamente. Os textos aludem a grandes eventos bíblicos, de que Scheuchzer se socorre para explicar o que via, embora sem o fanatismo de outros tempos (passados e futuros). À época, foram muito apreciados os seus relatos de viagens e as suas impressões sobre a biodiversidade das montanhas, lagos e glaciares da Suíça, rendendo-lhe grande prestígio na academia. Do seu nome derivam os de duas montanhas suíças e os de várias espécies de plantas.

2 comentários :

ZG disse...

Belas campainhas e mais um post muito interessante!

bea disse...

Bonitíssimas estas florinhas azul-violeta