25.8.09

Cruz-de-Malta




Tribulus terrestris L.

Esta é a única espécie do género Tribulus, planta anual de dunas estáveis, muito penugenta, de folhas compostas e flores solitárias com cerca de meio centímetro de diâmetro. A ramagem irradia até cerca de 1 metro, enquanto se bifurca, criando uma estrutura estrelada plana que mal sobressai do areal. Mas é o fruto, que nasce cerca de uma semana depois da flor, a parte mais famosa da planta: tem cinco lóbulos, cada um com dois espinhos longos e vários outros dorsais menores (o nome latino tribulus avisa os pés deste perigo), num arranjo que faz lembrar a cruz de Malta - sendo as oito esquinas, correspondentes aos espinhos do fruto, símbolo dos vários matizes da bravura.

Este formato tem, porém, outros usos. É usado num mecanismo engenhoso para transformar movimento de rotação uniforme em intermitente. Que diabo, e isto tem interesse? Tem. Por exemplo, as máquinas de projecção de filmes precisam de parar cada fotograma em frente às lentes cerca de 1/24 segundos; esta descontinuidade no movimento obtém-se justamente com este dispositivo. Que terá sido inventado por fabricante suiço de relógios porque também serve para regular a tensão da mola em relógios de corda, processo que deve garantir que o tempo é dividido em partes iguais, num harmonioso tic-tac.

Este exemplar é do recinto de uma escola da Torreira que ainda sobrevive como destino confortável para as muitas plantas que o colonizam.

3 comentários :

M. Dalila disse...

Muito interessante, Ana Carvalho!

As vossa fotos são magníficas e a informação é excelente.

Foi uma alegria ver aqui o vosso regresso e não me canso de recomendar-vos aos amantes de Botânica, especialmente aos que apreciam as plantas "rústicas".

Muito obrigada!
MD

bettips disse...

É fascinante ver o que na Natureza vos (re)liga à vida real ...
Abçs

Gi disse...

Aqui aprende-se sempre com gosto.