15.7.13

O feto do señor Pozo





Stegnogramma pozoi (Lag.) K. Iwats.

A planura sem acidentes da metade ocidental, um quase deserto de pastagens secas, é interrompida abruptamente, na outra metade, pelo relevo brusco por onde uma floresta subtropical se desenrola até perto do mar. Dois climas para uma só pequena ilha, a de Santa Maria, a menos convencional e mais misteriosa de todo o arquipélago. Não há lagoas de encher o olho, mas a névoa do Pico Alto e as falésias da Maia e de São Lourenço nada perdem em comparação com os cenários das restantes ilhas açorianas. E o amador de botânica não pode ignorar que à originalidade duplex do relevo e do clima corresponde igual singularidade florística, e que tem aqui ao fácil alcance da objectiva várias plantas que no resto do arquipélago são raras ou inexistentes.

Não é de nenhuma delas que tratamos neste fascículo. Muito pelo contrário: o feto-de-Pozo (descoberto no início do séc. XIX, na costa cantábrica, por um José del Pozo, médico e botânico espanhol) ocorre noutras cinco ilhas açorianas (São Miguel, Terceira, Pico, Faial e Flores), e é provável que a população de Santa Maria seja das mais escassas. Não que tenha sido difícil encontrá-lo no Pico Alto, sob um bosque de criptomérias, a uns 500 m de altitude, num local por onde passa um dos cinco percursos pedestres recomendados na ilha. Nas imediações ocorrem ainda duas espécies de feto-filme (Hymenophyllum tunbrigense e Trichomanes speciosum) e o feto-do-cabelinho (Culcita macrocarpa). Uma tal concentração de raridades entusiasma e confunde no mesmo grau, pois até há poucos anos julgava-se (e escrevia-se) que nenhuma dessas quatro espécies existia em Santa Maria. Quem quiser confirmar a asserção que consulte o vol. 1 (de 1971) da Nova Flora de Portugal, de Franco, e o Catálogo das Plantas Vasculares dos Açores, livro póstumo (de 1966) de Ruy Telles Palhinha, revisto e preparado por A. R. Pinto da Silva.

Entretidos por áfricas e orientes de um império em vias de se desmoronar, os botânicos portugueses esqueceram-se, até aos anos 80 do século passado, de que tinham nos Açores nove ilhas por descobrir. Antes dessa data, e tirando o contributo de Palhinha, tudo quanto se sabia da flora açoriana era trabalho de botânicos estrangeiros: Hochstetter pai e filho, M. A. Seubert e H. C. Watson, todos em meados do séc. XIX; W. Trelease, no final do mesmo século; G. C. Druce e T. G. Tutin, na primeira metade do século XX. Em nenhuma das ilhas as explorações botânicas foram exaustivas, e ilhas mais periféricas como Santa Maria, Graciosa, São Jorge, Flores e Corvo ficaram muitas vezes fora do roteiro. Sem um trabalho de campo abrangente e metódico, ficou um retrato muito lacunar da flora açoriana que persistiu quase até aos dias de hoje, e que ainda não está totalmente ultrapassado. Quando se fizer um levantamento florístico completo da Graciosa e de São Jorge há-de por certo constatar-se, como constatou Hanno Schäfer em 2003 em três outras ilhas (Flores, Faial e Santa Maria), que algumas plantas da flora açoriana aí supostamente ausentes sempre existiram em tais ilhas, só que ninguém tinha ido verificar.

O Stegnogramma pozoi tem uma distribuição semi-cosmoplita: Açores, Madeira, norte de Espanha, sudoeste de França, África tropical e austral, Índia, China, Coreia e Japão. É um feto rizomatoso com folhas muitas vezes pendentes, de 20 a 60 cm de comprimento, triangulares e estreitas, cobertas em ambas as faces por pêlos esbranquiçados.


Santa Maria, Açores

1 comentário :

bea disse...

hoje, desculpem mas não vou falar de fetos. Mais me apetece ruminar essa paisagem rural que, a não ter mar ao fundo, pareceria um descampado alentejano. E ficamos nós a olhar-lhe o estático onde fácil é imaginar coisas e vidas simples. Entra-nos um desejo de ali. Mas nada é simples se desolhamos. Quem vive nessa mornidão amarela tem-se a si mesmo e ao mundo dos homens. E7 basta para que o interesse cresça. Mas também a complexidade.

E os fetos? são uma dádiva verde. Alguém há-de um dia completar a flora dos Açores.

E porque não os gestores deste blogue? parecem até já ter iniciado...