3.12.04

Jardim de cerejeiras

.
Numa altura em que, no Japão, o que andou (ou anda) na boca e nos olhos e corações de todos foi o "kô-yô" - as folhas vermelhas do Outono- como é que estamos nós aqui a falar de "sakura", de cerejeiras em flor?
Simplesmente porque no Jardim de Serralves foi descoberta uma em flor. De espantar? Algo que teve a ver com o prolongado verão com que S. Martinho nos presenteou? Parece que não: trata-se da chamada cerejeira-de-outono, uma Prunus x subhirtella 'Autumnalis Rosea', cultivar da cerejeira "Higan" (a primeira das cerejeiras japonesas a serem introduzidas no Ocidente), que começa a florescer em Novembro e o faz intermitentemente até à Primavera.
.
E não são só as palavras que são como as cerejas... os posts também: atrás da foto da flor da cerejeira veio o texto de Wenceslau de Morais e, agora, a referência ao Jardim Japonês planeado para Lisboa, em Belém. A plantação da primeira cerejeira desse jardim ocorreu no dia 27 de Setembro passado, numa altura em que, justamente, se comemoram os 150 anos do nascimento do autor que 'que se apaixonou' pelo Japão. Segundo as notícias, o jardim será inaugurado em Março de 2005 «quando as 461 árvores, uma por cada ano de amizade entre os dois países, florirem.»
.
No Japão, a floração das cerejeiras é acompanhada fervorosamente pela população, e o seu simbolismo e beleza celebrado por todos. A chamada "sakura zensen", a frente de floração que ocorre progressivamente de Sul para Norte, (ver mapa) é divulgada diariamente nos boletins metereológicos, e por todo o lado se realizam eventos comemorativos.
.
É de esperar que em Lisboa -caso se concretize o projecto- se venha também a realizar no futuro um pequeno festival das flores de cerejeira, seguindo-se o exemplo dos que ocorrem em locais (fora do Japão) com grande número de cerejeiras. O mais célebre é o que acontece em Washington DC nas margens do rio Potomac, no West Potomac Park, quando as suas 6800 cerejeiras florescem (as primeiras 3,000 "sakura" foram oferecidas pelo Japão em 1912 «to celebrate the nations' then growing friendship.» ver)
Em menor número, mas mais variadas, são as cerejeiras do Jardim Botânico de Brooklin que também festeja anualmente o seu "Sakura Matsuri".
.
Nós, por cá, (e enquanto não descobrimos mais nenhuma), deliciamo-nos com a floração solitária da cerejeirazinha de Serralves...
.

9 comentários :

Anónimo disse...

Belíssimo ?post? ? estou encantada. Thanks! :)
Uma das minhas primeiras visitas ao Japão, há uns bons anos atrás, coincidiu justamente com a época de ?hanami? no início da primavera. Em plena cidade de Tokyo, encontrei, com grande espanto, jardins de cerejeiras em flor, à sombra das quais as pessoas faziam ?picnics?e conversavam animadamente enquanto contemplavam as flores. Inesquecível.
Em jeito de agradecimento, deixo-te um excerto de Lafacdio Hearn sobre as cerejeiras no Japão - com um poema e tudo ;) ? e que descreve na perfeição a beleza do ?hanami? (desculpa ser em inglês, mas não tenho tempo agora para traduzir):

«...There are two sakuranoki [Cerasus pseudo-cerasus (Lindley], Japanese cherry-trees ? those trees whose blossoms, as Professor Chamberlain so justly observes, are ?beyond comparison more lovely than anything Europe has to show.? Many varieties are cultivated and loved; those in my garden bear blossoms of the most ethereal pink, a flushed white. When, in spring, the trees flower, it is as though fleeciest masses of cloud faintly tinged by sunset had floated down from the highest sky to fold themselves about the branches. This comparison is no poetical exageration; neither is it original: it is an ancient Japanese description of the most marvellous floral exhibition which nature is capable of making. The reader who has never seen a cherry-tree blossoming in Japan cannot possibly imagine the delight of the spectacle. There are no green leaves; these come later: there is only one glorious burst of blossoms, veiling every twig and bough in their delicate mist; and the soil beneath each tree is covered deep out of sight by fallen petals as if by a drift of pink snow.
But these are cultivated cherry trees. There are others which put forth their leaves before their blossoms, such as the yamazakura, or mountain cherry. This too, has its poetry of beauty and of symbolism. Sang the great Shintô writer and poet, Motowori:-

Shikishima no
Yamato-gokoro wo
Hito-towaba,
Asa-hi ni niou
Yamazakura bana.

(?If one should ask you concerning the heart of a true Japanese, point to the wild cherry flower glowing in the sun.?)
Whether cultivated or uncultivated, the Japanese cherry-trees are emblems. Those planted in old samurai gardens were not cherished for their loveliness alone. Their spotless blossoms were regarded as symbolizing that delicacy of sentiment and blamelessness of life belonging to high courtesy and true knightliness. ?As the cherry flower is first among flowers,? says an old proverb, ?so should the warrior be first among men.?»

Lafacdio Hearn, ?In a Japanese Garden,? Glimpses of Unfamiliar Japan (Tokyo: Charles E. Tuttle) 355-56.

DK

Anónimo disse...

mdlr,
Só uma pequena correcção: a expressão japonesa para folhas de Outono é "kô-yô" e não "ko-ye". Curiosamente, os mesmos ideogramas (v. link) podem ser lidos como "momiji" para significar ácer (maple tree).
DK

João M disse...

As cerejeiras em flor são deslumbrantes. Adorei este blog e adorei esta notícia.

manueladlramos disse...

Olá DK ; já corrigi. Na China e na zona de Nanjing o passeio para admirar as hóng yè (red autumn leaves) ocorreu, segundo fontes locais ;-)há cerca de três semanas. Confundi a folha chinesa com a folha japonesa, aliás, na China, as árvores objecto da visita sazonal, também são predominantemente áceres. Não tive tempo de verificar se o caracter para acer tb é o de folha -yè (em pinyin). Vou inquirir... Xièxie

Anónimo disse...

Magnifíco! Muito obrigado.

pedro disse...

Estava aqui a ler este post em voz alta a T que se lembrou de uma possível relacão entre esse culto da flor de cerejeira e a frequência com que esse tipo de flor é representado na pintura tradicional japonesa.

Anónimo disse...

será que me podem explicar onde fica esse tão falado jardim em lisboa?? ainda hoje procurei mas não encontrei nada.. lol _devo ser ceguinha porque 641 cerejeiras devem ser facilmente perceptiveis.. brigada ;)

Ju disse...

Ola!!!
Nossa, tenho uma grande vontade de ir ao japao só pra contemplar a "chuva de pétalas de cerejeira" que tanto me falam ^^!!! e claro, porque tenho vontade de conhecer a cidade tbm...
E queria ver as da bolivia tbm ^^ quem me dera tivesse algo assim aqui para o brasil ;_; hehe...
bem, estava a procura de imagens dessa flor e encontrei alguns links aqui ^^ obrigada!! se tiver mais alguns e pudesse me enviar...ficaria agradecida ^^! qlqr coisa tem meu mail no meu blog \o/
muito obrigada!
um abraço \o/

Artur Fernando Serra disse...

Gente, quando conheci a "tal" cerejeira, fiquei apaixonado !
Estou com 06 mudas de 02 anos, que ainda não deram flores, mas acredito que no próximo ano darão...
Consegui 20 sementes colhidas no jardim das cerejeiras na cidade de Garça/SP, e pretendo dar continuidade à cultura desta tão fenomenal árvore...