3.6.05

Festival Internacional de Jardins - Ponte de Lima

.
É inaugurado hoje nos Campos de S. Gonçalo entre a Ponte Romana e a Ponte de Nossa Senhora da Guia na margem direita do Rio Lima.

«São objectivos do Festival contribuir a nível local, nacional e internacional para uma maior sensibilidade para a arte dos jardins e para o aumento da importância dos jardins e dos espaços verdes no incremento da qualidade de vida dos cidadãos, criando um movimento que aproxime as flores, as plantas e arte ao espaço urbano e simultaneamente uma força de conservação e enaltecimento dos valores paisagísticos ligados ao espaço rural.»

A qualidade do trabalho desenvolvido em Ponte de Lima na área dos espaços verdes e jardins, nomeadamente na sua zona ribeirinha (por onde se pode ter acesso pedonal à Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro de Arcos), e o facto do projecto ser desenvolvido pelo gabinete do arquitecto paisagista Caldeira Cabral, leva-nos a ter esperança que este evento não se quede no aspecto superficial e festivaleiro e "se torne um projecto de verdadeira cidadania" (como muito sensatamente argumenta a experiente Jardineira)

Enquanto que em Lisboa são contrados arquitectos-paisagistas para encherem de flores as suas avenidas, no Porto, onde funciona um dos melhores viveiros municipais do País, aposta-se na sua erradicação dos próprios jardins e espaços históricos! Se não acredita veja aqui o andamento da destruição inqualificável (!) da Avenida dos Aliados e das suas zonas ajardinadas.
.

7 comentários :

Anónimo disse...

a ponte de Ponte de Lima é gótica (séc. XIII-XIV) e não romana.
jm

manueladlramos disse...

As informaçções sobre o local da realização do Festival foram transcritas tal e qual do Regulamento do Festival(ponto 2º) elaborado pela Câmara Municipal de Ponte de Lima. Por isso, francamente, não me dei ao trabalho de confirmar se a ponte era romana ou não. (Vai ser pretexto, para mais logo com vagar, viajar pelas pontes do Rio Lima e averiguar ...)
Obrigada pelo reparo.

jardineira disse...

estamos em sintonia ;-) Eu também tenho muito esperança que este primeiro festival seja o sinal de que a forma como se entende o espaço público (nomeadamente os espaços verdes) está a mudar em Portugal. Esperança essa reforçada pelo facto de este evento ser da responsabilidade do gabinete do arqº Caldeira Cabral, por cujo trabalho tenho o maior apreço e respeito. No entanto, por ver alheadas do projecto palavras como "participação", "comunidade", "devolução", temo que se perca uma excelente oportunidade para demonstrar que a arquitectura paisagista tem igualmente uma função social que se traduz basicamente na ligação dos espaço verdes às necessidades concretas dos que neles habitam. E que estão para além da mera fruição estética.

mariagomes disse...

Venho agradecer, Manuela, a informação que me deu.

um abraço da
maria

Anónimo disse...

Ponte de Lima não tem uma ponte mas sim duas - uma romana e outra medieval (pode chamar-lhe gótica se quiser). A parte medieval vai da praça de Camões até à Igreja de Santo António da Torre Velha e a parte romana dessa Igreja até ao Largo de Além da Ponte ou de Alexandre Herculano. Concluindo é uma ponte com duas parte (pontes) distintas. Um Limiano.

Anónimo disse...

Saiu uma execelente publicação sobre o Festival e sobre os diversos jardins de Ponte de Lima. É uma edição bilingue em inglês e português e pode ser muiti útil aos interessados na matéria. 152 páginas totalmente ilustradas a cores e num formato bem agradável. Custa 12 euros e podem pedir informações para a Biblioteca Municipal local, pelo email biblioteca@cm-pontedelima.pt.

Anónimo disse...

Olá

Para quem ainda não conhece o Festival aqui fica um aperitivo para lhes aguçar a curiosidade.

http://www.cm-pontedelima.pt/jardins/