3.9.05

Porque sim e para que se saiba!

Foto de Nuno Calvet reproduzida do livro As mais belas cidades de Portugal (Colecção Património)- Edimpresa Editora, Lda

«O que diz o Estudo de Impacte Ambiental
Selecção de considerações e recomendações do EIA sobre a linha S do Metro do Porto no troço Av. dos Aliados / Praça da Liberdade
(Nota: algumas recomendações são de carácter geral)

O EIA preconiza que se constitua um Programa de Salvaguarda do Património Cultural Construído e um Programa de Acompanhamento Ambiental da obra, que faça a inventariação, prospecção, sondagem e recuperação dos elementos de interesse patrimonial.
Flora e paisagem:
1. (...) deverão ser tomadas as medidas necessárias para que o coberto vegetal não seja destruído desnecessariamente.
2. Deve-se prever a recuperação de todas as áreas que venham a ser afectadas por qualquer processo.
3. Devem-se recuperar imediatamente após a finalização das obras todos os jardins públicos e arruamentos afectados pelas obras.
4. As áreas de estaleiros, frentes de obra, etc. deverão ser recuperadas e integradas paisagisticamente após a conclusão da obra.
5. Devem recuperar-se imediatamente após a finalização das obras os jardins públicos e arruamentos, destacando-se pela sua localização no centro do Porto e pela natureza das obras aí previstas, a avenida e jardim dos Aliados.

Elementos de interesse arquitectónico identificados na área do estudo:
1. Na zona central do Porto podem identificar-se diversos monumentos (...).
Aqui existe ainda uma das mais importantes praças da cidade, os Aliados.
"Sala de visitas" do Porto, aqui o impacto será elevado e muito significativo.
3. Recomendação:(...) esta secção corresponde ao jardim dos Aliados, prevendo-se uma grande afectação do mesmo, consequência da obra da linha do metro e da instalação da estação dos Aliados; este impacte será contudo temporário, podendo ser facilmente adoptadas medidas mitigadoras durante a obra, bem como a reposição do jardim imediatamente após a sua conclusão.
Medidas de integração estéticas e paisagísticas específicas:
Aliados:
1. Levantamento topográfico da vegetação.
2. Selecção criteriosa das espécies vegetais existentes no jardim dos Aliados que possam ser transplantadas e o seu devido acondicionamento para posterior recolocação.
3. Recuperação do jardim após a conclusão do empreendimento repondo-se, tanto quanto possível, a situação inicial. » (Publicado originalmente por Nuno Quental no Blogue da Campo Aberto em 8.7.05
)


8 comentários :

Anónimo disse...

Vão transplantar relva e amores-perfeitos?... Quem ler isto e não conhecer, pensará que há ali um verdadeiro jardim, quando apenas existem canteiros...

Anónimo disse...

Pois... está-se mesmo a ver! o sr anónimo conhece(ia) muito bem a Avenida.
S. (de Sementinha;-)

Anónimo disse...

Não, não vão repor a relva e as flores. Para preservar a sua manifesta ignorância sobre as espécies vegetais que alindavam os canteiros, prevê-se que tapem tudo a granito escuro. Satisfeito? Eu sabia...

V.M. disse...

o granito escuro está mais de acordo com a mentalidade de certas pessoas que têm um ódio enorme a tudo o que tenha rais, caule, folhas. Ninguém defende a vida sem defender as plantas. Tenhamos consciência disso! E não se trata de pedra a mais for a menos. São muitas plantas a menos. Cometem-se crimes diariamente.

Anónimo disse...

Aqui anónimo: tá certo, recebi todas as bofetadas, tanto as de luva preta como as de luva branca... Há pequenas picardias que ajudam a salgar a vida, não é preciso levá-las demasiado a sério, nem puxar das armas de destruição maciça...

V.M. disse...

Não sei como, melhor, é um disparate tão grande que nem relendo sabia o que tinha escrito: "rais" em vez de "raiz". Estou em mim que tudo isto tem a ver com a destruição do verde à nossa volta. O cérebro fica granítico. Que me desculpem. Eu não me desculpo.

Anónimo disse...

Aqui anónimo outra vez. Não sei se isso é para mim, mas quando falo em "picardias" falo disto aqui, da inofensiva troca de galhardetes. Não falo da discussão efectiva em torno do problema, evidentemente sério e importante, da Avenida dos Aliados...

V.M. disse...

Não tem de todo, a ver consigo. Não procurei atingir ninguém em especial. De resto este ataque sobre a raiz é contra mim. Inteiramente. E não disse tudo. Ainda escrevi "for" em vez de "ou". Mas não se sinta atingido com o que eu quis dizer.