18.10.06

A Minhoca

Um torrão de barro!
Eu vi um torrão de barro
Fresco, na enxada, e uma minhoca!
Aquele torrão cheiroso
Era a toca!

Eu vi bichas da terra,
Uma raiz ao sol,
Vi ervas verdes
E um osso.

E fiquei tão comovido,
Tão agradecido,
Que quis dizer isso a alguém,
Mas não sei a quem
Nem posso.
Eu vi a oliveira de bronze e de prata
Cheia de folhas e de pios,
E pelo vento soube dos rios.

Mas nem pinheiros nem fuminhos
De casais, semeaduras, cigarras,
Nem este pouco de poesia que me toca
E que do Mundo me desliga
Valem a pobre minhoca
Que se mexia para eu ver,
Só com metade da barriga.

Vitorino Nemésio ( in NEM TODA A NOITE A VIDA , 1952)
post
dedicado;-)

Sem comentários :