18.6.07

Erva-sapa


Lythrum junceum - Parque da Cidade, Porto

Identificámos esta espécie com a ajuda do guia de campo Flora of the Azores de Hanno Schafer (Margraf Publishers, 2005). As flores são solitárias e dispõem-se nas axilas das folhas sésseis, parecendo subir graciosamente por um caule erecto que não ultrapassa os 40cm de altura.

A erva-sapa é nativa do sul da Europa e norte de África e é irmã da erva-carapau, a Lythrum salicaria, comum nos nossos bosques húmidos e uma praga séria em campos do oeste americano. Ambas se servem de uma estratégia sofisticada para encorajar a polinização cruzada: têm flores de tipos distintos relativamente ao tamanho dos estames (que são 12, 6 curtos ou médios e 6 longos) e do pólen; com esta diferenciação, cada pólen fertiliza melhor uma planta diferente da que o produziu.

Na mesma família estão as famosas lagerstroemias e romazeiras.

4 comentários :

Paulo disse...

Já agora tinha graça vermos a tal irmã, a erva-carapau!
Nunca tinha ouvido falar nelas. A foto, linda como sempre.

Rita Lemos disse...

E porque têm esses nomes vulgares tão engraçados?

Maria Carvalho disse...

Caro Paulo: Logo que fotografemos a erva-carapau (cujas inflorescências são caules cobertos de flores vermelhas como pirâmides - ou caudas de carapau...), mostramo-la aqui.

GP disse...

As coisas que eu aprendo aqui!