30.9.09

Urzes brancas



Erica arborea L. / Erica lusitanica Rudolphi / Erica cinerea L.

Hoje propomos ao leitor a versão botânica do passatempo descubra as diferenças. Não vale a pena apontar variações triviais, como seja o número de flores que aparecem em cada foto, mas o comprimento da corola e o maior ou menor grau de saliência do estilete já representam diferenças genuínas. E são justamente estas discrepâncias entre as flores (bem visíveis nas fotos acima - clique para as aumentar) que nos permitem distinguir os dois primeiros arbustos. É que, tirando isso, eles têm folhagem semelhante, atingem ambos os três ou quatro metros de altura (embora a E. arborea seja em geral mais corpulenta), e as suas épocas de floração coincidem em parte (a da E. lusitanica, que prefere o Inverno, termina em Março, altura em que se iniciou já a da E. arborea, que vai até Julho ou Agosto). Os nomes vernáculos também não contribuem para individualizar estas plantas: urze-branca é uma designação que se aplica indistintamente a uma ou a outra, e queiró ou queiroga servem para quase todas as nossas urzes, sejam elas de flor rosa, lilás ou branca.

As três urzes de hoje são espontâneas em Portugal, e foram fotografadas em espaços naturais do norte do país - embora, de acordo com os mapas de distribuição apresentados na Flora Digital de Portugal, a Erica lusitanica, que encontrámos em Valongo, devesse estar ausente do Douro Litoral, Beira Interior, Minho e Trás-os-Montes. A nossa terceira urze, Erica cinerea, não indo além dos 80 cm de altura, é mais rasteira do que as outras duas. Habitando ela preferencialmente nas províncias nortenhas, tê-la encontrado na Serra do Alvão nada teve de extraordinário. O espanto é termos deparado com dois ou três exemplares com flores brancas, quando o normal na espécie é que elas sejam cor-de-rosa ou lilás, como a Crix aqui mostrou.

De modo que, leitor, não vale a pena atafulhar a memória com as diferenças que detectou entre as flores brancas da E. cinerea e as das outras urzes. Tão raramente ela se veste de branco que não pode aspirar a chamar-se urze-branca; o melhor que consegue é urze-roxa.

3 comentários :

Maria da Luz Borges disse...

Branca ou roxa é mesmo muito bonita!
para mim o facto de ser branca é uma novidade.
(Ainda não estão fartos de me aturar?)...

Paulo Araújo disse...

Fartos de aturar? Ora essa. Os comentários fazem sempre falta, e até gostávamos que eles fossem em maior número. Que às vezes demoremos a dar-lhes resposta, ou não cheguemos sequer a responder-lhes, deve ser assacado à nossa (ou pelo menos minha) incurável preguiça.

Nalva Kuhn disse...

Lindisso o seu blog. Tive a ousadia de usar uma das suas fotos em meu fotolog.

Encantada!