20.3.19

Não são cactos

La Graciosa, a norte das Canárias, a menor ilha habitada do arquipélago, é um pequeno deserto com muito vento, assolada por frequentes tempestades de areia e sem fontes de água potável. O acesso a partir de Orzola, em Lanzarote, faz-se em barcos que mal fintam as vagas agitadas do oceano que separa as duas ilhas. São vinte minutos de travessia até à povoação Caleta del Sebo, na costa sudeste da ilha, com casinhas brancas embelezadas com motivos azuis, e cerca de setecentos habitantes que têm acesso a água do mar dessalinizada e sabiamente dispensam as estradas pavimentadas.



Esperavam-nos uma frota de veículos todo-o-terreno e muitas bicicletas, que a maioria dos turistas aluga para percorrer os cerca de 5 km até à bela Playa de las Conchas. Recusámos, para seguir a pé pelo estradão de terra batida, feita de cinzas vulcânicas e areia, ladeado por vegetação de duna secundária à beira-mar. O ambiente era árido mas a temperatura sentia-se cálida, como é usual em Dezembro por estas paragens. Dirigimo-nos à Montanha Bermeja, um dos cinco grandes vulcões da ilha La Graciosa, que a erosão tem vindo a reduzir a um monte de altura modesta (cerca de 150 m). Procurávamos uma planta suculenta, endemismo raro de Lanzarote e Fuerteventura.



A cerca de meia altura da montanha de cor vermelha, exposto ao sol e à maresia, notámos um tapete de talos suculentos, erectos, com cerca de 20 cm, de secção quadrangular e cor esverdeada a tender para o cinzento. A floração estava em curso, e por sorte alguns exemplares já exibiam frutos. São ambos, flores e frutos, de aspecto magnífico a que vale a pena prestar atenção. A corola de tubo curto tem cinco lóbulos castanhos, quase púrpura, a lembrar os do Vincetoxicum nigrum e salpicados de penugem branca; abrigam uma estrutura amarela que parece uma flor dentro da flor maior. Os frutos, formando dois corninhos como é usual na família Apocynacea, confirmam que a Caralluma não é um cacto, apesar de a morfologia desta planta bizarra resultar, com toda a probabilidade, de uma adaptação à secura e ao calor, como acontece às suas congéneres no norte de África e aos cactos nos desertos das Américas.


Caralluma burchardii N. E. Br. var. burchardii


O epíteto específico é dedicado a Oscar Burchard (1863-1949), botânico alemão que viveu em Tenerife e a quem se deve a descrição de inúmeras espécies da flora das Canárias.

Sem comentários :