6.7.04

Desmundo

«Abençoado torrão, onde medram árvores deste porte! E novas! São como belas mulheres sadias, bem especadas nas suas colunas. Altas e fortes, não vibram a qualquer pé-de-vento. (...) São árvores honestas. Cheias de riso franco, lembram plácidas virgens saciadas de sol. Oh! Quem me dera a saúde destas árvores!
Namoro-as da janela. Penso que a Régua seria feliz se possuísse e amasse mil árvores assim. À sua sombra viriam acolher-se as almas doloridas. Seria, na escaldada terra duriense, oásis procurado por caravanas sequiosas.
Sem árvores, qualquer povoado é repulsivo. A Régua é linda. Em dias soalheios, vista de longe, do alto desses montes que a circundam, à beira da água, faiscante de jóias, é princesa. Mas... princesa calva! Princesa sem bosques onde corram gamos, sem espessuras onde gemam rolas, sem alfombras que sepultem o ruído dos passos, não é princesa real. É princesa do sabão e do petróleo.
A Régua precisa dum grande mata. A presença de enormes manchas verdes dulcificar-lhe-ia a rudeza nativa, atrairia hóspedes espirituais. Sem árvores, é inóspita como um deserto. Os próprios naturais enriquecidos a abandonam...
A Régua, por honra sua, deve perder o ar de coisa provisória. Deve enraizar-se como povoação definitiva. Plante árvores. A árvore é o símbolo do apego à terra.
Debruçado no peitoril da janelinha, os olhos embebidos na beleza de meia dúzia de álamos e cedros, cismo...
Retirando-me, gabo à dona da casa a regalia daquele postigo, onde, senhora viúva, a qualquer hora pode espairecer.
- As árvores? Nem me fale nisso. Roubaram-me as vistas. Quando o Camilo Guedes foi administrador do concelho, ainda lhe pedi que as mandasse cortar. Nem sei que resposta ele me deu... Paciência.»

João de Araújo Correia, Sem método (1983 - 1ª edição de 1938)

1 comentário :

manueladlramos disse...

«The tree which moves some to tears of joy is in the eyes of others only a green thing which stands in their way.» William Blake