3.2.05

Antes dos dinossauros



Fotos: pva 0501 - Encephalartos lebomboensis - Palácio de Cristal (Porto)

Grupo: Cycadales
Família: Zamiaceae
Género: Encephalartos
Espécie: lebomboensis
Nomes comuns: cica-do-Lebombo; almofada-de-zombi

Um povoamento destas cicas, que parecem palmeirinhas e podem atingir porte arbustivo de uns 4 m de altura, foi descoberto nos anos 20 do século passado nas montanhas Lebombo da África do Sul e descrito em 1949 como uma nova espécie. O tronco, tal como nas palmeiras, não é de madeira mas de um tecido flexível constituído pelas bases de folhas que entretanto caíram. As folhas, que se dispõem numa magnífica coroa, são pinadas (os folíolos estão dispostos ao longo de um veio com cerca de 2m de comprimento); cada folíolo é duro, de tom encerado, sem nervura central, exibindo 2 a 4 dentinhos em cada margem.

As cicas são plantas muito antigas, de uma era anterior à da presença dos dinossauros na Terra; os registos fósseis parecem indicar que, com as ginkgos, dominaram o mundo vegetal no período Jurássico. Não têm flor e o sistema reprodutivo é muito simples, garantindo o sucesso pela enorme quantidade de sementes que o vento dissemina. É uma espécie dióica (ainda não sabemos se o exemplar das fotos, que vegeta nos jardins do Palácio de Cristal no lado nascente do pavilhão, é feminino ou masculino): os cones femininos, usualmente solitários, têm o feitio de barris, com cor creme; os masculinos são cor de salmão e mais esguios. Ambos são expostos, sem protecção, e têm cerca de 40 cm de altura e 20-30 cm de diâmetro. O termo encephalartos tem origem nas palavras gregas cephala e artos que significam miolo e pão, aludindo a uma fécula comestível produzida a partir do tronco ou do centro dos cones.

O Encephalartos lebomboensis consta da lista de plantas raras e em perigo de extinção. Por isso, além do apreço que uma bela planta como esta nos impõe, devemo-nos lembrar que ela é praticamente insubstituível.

7 comentários :

Anónimo disse...

Que linda!
S. (de Sementinha)

Anónimo disse...

No Jardim Botânico da Universidade de Lisboa é que há uma bela colecção destes exemplares. AMAG

Maria Carvalho disse...

Sabe se algum dos exemplares no Jardim Botânico de Lisboa é da espécie lebomboensis?

Anónimo disse...

Realmente não sei. O que eu sei é que o Jardim tem uma grande colecção de cicas e o género Encephalarlos também existe lá. De qualquer forma vou investigar e depois digo-lhe. AMAG

Anónimo disse...

Considero a cica uma planta muito interessante. A maior colecção de cicas do mundo está no Funchal numa quinta do Berardo. A planta em vaso mais antiga, com cerca de 300 anos, é uma cica e encontra-se no Jardim Botânico de Kew em Londres. Isabel Paquete

Anónimo disse...

venden s cicadacias kkr coisa mandar mail para manel_40@hotmail.com
obrigado

Anónimo disse...

Olá!!!
A minha cica está com as folhas amareladas e com uns bichinhos brancos parecendo fungos...O q faço???
Meu email é lainhadf@hotmail.com