6.2.06

A Madrinha

.
É um dos contos que mais gosto de ler na escola; da autoria de Leonel Neves conta a história de um velho ulmeiro que os habitantes de uma vila descobrem com grande alegria estar na origem do nome da sua terra: Mosqueiro. Tudo graças à visita de um velho sábio, o doutor Pafúncio da Silva, que aproveitara a sua estadia nas termas da vizinhança para visitar a velha árvore de que tinha ouvido falar.

«(...) Esteve mais de dez minutos a andar à roda da árvore, a olhar para ela, muito calado, e por fim disse:
- É um belo ulmeiro, talvez o maior ulmeiro português. Devia ser considerado monumento nacional. E deu o nome à tua vila, como sabes.
O senhor Presidente da Câmara, que tinha sido colega do sábio na Universidade de Coimbra e o levara junto da árvore, ficou de boca aberta e gaguejou:
- O... quê?
- Ulmeiro... mosqueiro --disse o doutor Pafúncio.
- Estás a perceber?
- Não - respondeu o sr. Presidente. - Ora explica lá isso.
E o sábio, que sabia tudo de árvores, explicou:
- Ulmeiro ou ulmo é o mesmo que olmo ou olmeiro. Mas também pode ter outros nomes: negrilho, lamegueiro ou... mosqueiro. Se não acreditas, vai ver a um bom dicionário. Com certeza esta árvore, há algumas centenas de anos, é que deu o nome a esta vila. Donde julgavas tu que vinha o nome da tua terra?
- Eu... eu... E achas que isto é um monumento nacional? - perguntou o senhor Presidente.
- Devia ser - respondeu o sábio. - Mas, pelo menos, é de interesse público, o que quer dizer que, sendo como é uma árvore tão antiga, tão alta e tão bonita, ninguém lhe pode fazer mal. ninguém a pode cortar. É da lei! Encontras tudo isso num decreto publicado há muitos anos no «Diário do Governo» (agora «Diário da República»). (...)»
Leonel NEVES, in O cão, o gato e a árvore

O resto da história ... bem não vou ser desmancha-prazeres e contar o fim; só adianto que acaba muito bem.

Agora, qual a razão dos nomes negrilho e mosqueiro para o ulmeiro? Terão algo a ver com a doença que os afecta -provocada por um fungo e com os insectos nocivos associados a esta árvore, Pyrrhalta luteola e Scolutus multistriatus (este último transmissor da grafiose) ?

1 comentário :

jcb disse...

Não, certamente. O ulmeiro, em Trás os Montes, é designado por «negrilho» há muito tempo, muito antes da doença começar a vitimá-los. Felizmente, ao que parece, a coisa parece relativamente estabilizada: ao contrário do que se chegou a temer, os negrilhos não morreram todos, e há belíssimos exemplares para exemplo do que é uma árvore imponente, elegante, magestosa e grácil.