11.7.06

Bambú-celeste

Sejamos francos: as visitas a Amarante não são apenas para rever um belo plátano ou nos embrenharmos no Parque Florestal de nariz arrebitado pelo aroma a ananás das numerosas pseudotsugas. Há por lá uns docinhos de fabrico caseiro temperados pelas brisas do Tâmega que nos fazem vencer alegremente as léguas entre Porto e Amarante. E no fim não contam só como pecados. Senão vejamos.

Depois de enchermos a barriguinha de lérias, barrigas-de-freira, brisas, galhofas, queijinhos e papos-de-anjo é imperioso caminhar. E foi num desses passeios junto ao rio que encontrámos vários exemplares floridos de Nandina domestica.


Nandina domestica

O género Nandina, da família Berberidaceae, tem uma só espécie (mas dezenas de variedades) originária da China e Japão. De folhas tripinadas, com folíolos lanceolados, tem um hábito que faz lembrar o do bambú se não for podado como sebe, o que infelizmente acontece com frequência por ser arbusto entouceirado. De folhagem semidecídua, rubra com o frio, floresce exuberantemente no Verão e enfeita-se de bagas alaranjadas no Outono.

No Japão a Nandina domestica é considerada herbácea da sorte, sendo cultivada, desde o século XIII, em nichos de sombra debaixo dos pórticos. Os frutos são usados tradicionalmente para aliviar a asma.

O nome do género deriva do japonês nandin; o latim domesticus significa caseiro, familiar.

1 comentário :

S. disse...

oi,
tenho uma dúvida.
Essa nandina domestica pode ser posta em ambiente interno ( ao lado de uma janela porém sem contato com luz solar direta ) ?

Comprei uma pro meu escritório, e é linda, mas tenho medo que não se adapte. Tenho enchido ela de abraços e beijos pois estou apaixonado pela minha nandina, e daí essa agonia maior de perdê-la.

Obrigado,
Felipe.