18.1.08

Kenwood House

Os terrenos da Kenwood House prolongam para norte a grande mancha arborizada de Hampstead Heath, embora oficialmente não façam parte dela e tenham até gestão autónoma. A casa está cercada por jardins formais onde pontificam maciços de azáleas e por bosques de grandes e velhas árvores: carvalhos, faias e castanheiros. Entre 1951 e 2006, o lago da propriedade, que aqui ontem mostrámos, acolheu todos os verões, nas tardes de sábado, uma concorrida série de concertos ao ar livre. Curiosamente, a «ponte» que atravessa o lago é puro adereço cénico, sem chão e sem espessura.



É bom, numa noite de Inverno, folhear o álbum de recordações de uma Primavera que, embora passada, há-de ter dentro de poucos meses a inevitável reedição. Cada purgatório tem o seu paraíso prometido, seja ele noutro lugar ou noutro tempo. Para chegar a este, ascendi 10 graus de latitude e recuei até Maio, tempo das azáleas em flor. A esplanada da cafetaria, vista aqui através da ramaria de um plátano, apresentava-se estranhamente vazia, mas o dia estava incerto, sujeito a aguaceiros repentinos. Lembro-me de ter ficado longos minutos de plantão, já com o enquadramento estudado, à espera de uma aberta entre as nuvens para fotografar o colorido das azáleas avivado pelo sol. Na terceira foto, tirada de junto ao lago, as duas grandes árvores que balizam a casa são, da esquerda para a direita, uma tília (Tilia x vulgaris) e um carvalho (Quercus robur).

1 comentário :

bettips disse...

Os três últimos apontamentos (sim, o livro também) deixaram-me ...
como dizer? "a espumar de raiva" muito contida entre dedos: jardins encantados em papel e ao vivo em Londres? Não há direito: quero o livro e ter 20 anos, ser au pair e passear o cão (that bastard! que me puxava a mim) em Hampstead Heath.
Obg pelo pedacinho de sonho, uma vez mais, verde!
Abçs