11/07/2020

Malmequeres carecas



Toda a gente aprende desde criança a reconhecer a flor do malmequer, e dessa aprendizagem inicial deriva muita da ignorância botânica que nos acompanhará pela vida fora. São dois os erros na expressão flor do malmequer: aquilo que nos parece ser uma só flor é de facto um capítulo, ou seja, um aglomerado de minúsculas flores (ou florículos); e malmequeres há muitos e muito diversos, sendo às dezenas as espécies que em Portugal assim podem ser chamadas. Se abstrairmos do tipo de inflorescência, não há qualquer afinidade entre o acetinado e elegante Phalacrocarpum oppositifolium, que encontramos nas serras do norte e centro, e a rasteira Bellis perennis, que coloniza relvados urbanos. Como podemos achar que os conhecemos se, para nós, ambos forem apenas malmequeres?

Cada uma das "pétalas" que enfeitam os capítulos dos malmequeres é na verdade uma lígula, apêndice vistoso dos florículos que bordejam o disco floral e que desse modo se distinguem dos florículos tubulares centrais. As lígulas não servem senão para atrair insectos polinizadores; e, se outros engodos houver (olfactivos, por exemplo), a planta pode dispensá-las por completo. Um malmequer sem "pétalas" não é uma aberração, nem um sinal de que alguém, por maldoso desfastio, resolveu arrancá-las uma a uma. Aconteceu simplesmente que, no processo evolutivo que originou essa espécie, as lígulas a certa altura se perderam por não terem utilidade, tal como nós começámos a perder a cauda quando os primatas nossos antepassados desceram das árvores.

Um malmequer careca pode assim representar um estádio evolutivo mais avançado do que um malmequer convencional, embora para usos ornamentais possamos preferir o segundo. Mas na natureza nenhuma planta evoluiu com o fito de ser agradável aos nossos olhos ou de ficar bonita nos nossos jardins. Se bem que as santolinas, apesar de carecas, sejam muito favorecidas em jardinagem.


Santolina semidentata Hoffmanns. & Link


As santolinas são arbustos compactos, de um verde acinzentado e de folhas lineares mais ou menos carnudas, que na Primavera ou início do Verão fazem brotar inúmeras hastes esguias, cada uma delas encimada por um único capítulo. À sua popularidade em jardinagem não será alheia a antiga reputação medicinal e os possíveis usos em perfumaria. Em Portugal são reconhecidas três espécies espontâneas, todas de aspecto geral semelhante, distinguíveis por minudências da folhagem ou, mais preguiçosamente, pela distribuição geográfica. A que ocorre em Trás-os-Montes, nos afloramentos ultrabásicos de Bragança, Vinhais e Macedo de Cavaleiros, é a Santolina semidentata (fotos em cima), endémica do quadrante noroeste da Península Ibérica. Vimo-la, no início de um mês de Junho, a cobrir toda uma ladeira entre um pinhal e uma estrada, e daí ter-nos ficado a ideia de que a planta não é rara. De facto, o estudo de campo no âmbito do projecto da Lista Vermelha da Flora de Portugal (LVF) concluiu que a espécie não está ameaçada e atribuiu-lhe o estatuto de pouco preocupante. É daquelas plantas felizes que aprenderam a conviver com o homem e conseguem instalar-se em habitats (moderadamente) degradados.

Na situação oposta está o segundo malmequer careca que hoje apresentamos: segundo a LVF, o Anthemis canescens (fotos em baixo) está "em perigo", significando isto que em Portugal tem vindo a desaparecer e é hoje em dia muito escasso. Apesar de ocorrer em Trás-os-Montes, na Beira Interior e na Estremadura, o efectivo populacional da espécie no nosso país dificilmente atinge a casa dos milhares. No único local onde a vimos, no limite norte do concelho de Bragança, apenas detectámos três exemplares, só um deles em floração.

Embora os capítulos e as hastes compridíssimas lembrem as santolinas, a folhagem do Anthemis canescens rapidamente desfaz a confusão: não há qualquer parecença entre as folhas compostas bipinadas que vemos na 2.º foto abaixo e as folhas simples de uma santolina (exemplo).

E a confusão nem teria chegado a existir se o Anthemis canescens nos tivesse aparecido na sua versão não careca. É que os capítulos tanto se podem apresentar com lígulas como sem elas, e noutros países europeus onde a planta ocorre (ela distribui-se pela Europa mediterrânica desde a Península Ibérica até ao Cáucaso) até é mais frequente a versão ligulada. Talvez a espécie esteja em processo de descartar as lígulas e, nesse aspecto, as plantas portuguesas estejam na vanguarda. Só que as vanguardas também se podem extinguir.


Anthemis canescens Brot.

Sem comentários :