17.9.05

Árvore dos morangos

Este é um arbusto que se sabe enfeitar: no Outono cobre-se de cachos de flores brancas, pequeninos tubos mais estreitos na ponta, e ao mesmo tempo alinda-se com os frutos vermelhos, já maduros, do ano anterior. Estes têm polpa agridoce e textura de morango (que sugere o nome inglês, strawberry tree), com pequenas protuberâncias na casca.


Foto: pva 0411

Espontâneo nas Serras de Monchique, Espinhaço e Cão, o medronheiro (Arbutus unedo) é uma ericácea essencial à economia de muitas gentes nas serranias do Algarve que conseguiram, com boa mão, paladar exigente e um prático "pesa-espíritos" (que indica a graduação alcoólica da bebida), dar fama à sua aguardente de medronho (conhecida em francês como l' eau-de-vie d'arbouse). Uma boa aguardente de medronho é transparente, com aroma e gosto da fruta, e 50º de teor alcoólico. Tal percentagem de álcool é naturalmente fonte de preocupações, e não apenas entre personagens da literatura:

A vida íntima é cheia de passagens ridículas. A gente, que escreve casos tristes, se lhes não joeirasse a parte cómica, não arranjava nunca uma tragédia. Estava ali naquela desgraçada mulher sobre as brasas do seu suplício, e à volta dela a bruta vida de seus pais - ele a esconder o pipo da aguardente de medronho, a mãe a pisar a erva semprónia, e a pedir sinceramente ao céu que lhe levasse o marido em uma das suas frequentes borracheiras.
[Camilo Castelo Branco, Maria Moisés (in Novelas do Minho), 1876]

O regionalismo ervado, que designa o medronheiro nestas serras, deriva de erbatus, e esta palavra de arbutus. Unedo significa "só como um", porque o fruto é alegadamente demasiado insípido para ser apreciado em quantidade. O género Arbutus abriga cerca de 12 espécies endémicas na América do Norte, Ásia e Europa, sendo o A. unedo mais frequente na faixa oeste da costa mediterrânica.

5 comentários :

Ambientalistas da Amadora disse...

Hoje, por entre as voltas de bicicleta, comi medronhos óptimos no parque das nações em lisboa.

manueladlramos disse...

Cá no Porto os de Serralves devem estar a ficar bons... (eu, se tivesse baptizado os medronhos chamar-lhes-ia em vez de unedo, multiedo, pois nunca fico satisfeita com um, ou dois ;-)

Musas Esqueléticas disse...

O medronheiro é, pelo menos que eu saiba, também espontâneo no Alto Alentejo e na Beira Alta. Fartava-me de comer neles e corria o dito que embriagavam. Nunca porém me subiram à cabeça :)

Anónimo disse...

Os medronheiros são também muito abundantes na Beira Baixa, onde se produz, de modo caseiro, muita aguardente. Curiosamente, após os fogos, um ou dois anos depois, a produção de medronho é muito maior... A aguardente medronheira, além de muito alcoólica inclui não apenas o etanol mas também o metanol, que é muito tóxico. Um dos males que faz é afectar a visão de consumidores habituais. E no concelho de Oleiros, em tempos que já lá vão (30 anos...) conheci eu muitos anciãos (e anciãs) que não dispensavam o mata-bicho, mas acabaram os seus dias quase cegos. Seria principalmente disso?...
José Batista, Braga.

manueladlramos disse...

Um dicionário médico (da Climépsi Editores) que consultei li que metanol é sinónimo de alcool metílico e que este é impróprio para consumo sendo muito tóxico para o nervo óptico!