9.12.06

O vento

Por mais que tente, o vento
não consegue adormecer
se não tiver nada para ler.
Seja uma folha de tília,
de bambu ou buganvília.

É por isso que o vento
arrasta as folhas consigo,
até encontrar um abrigo,
onde possa adormecer.
- arrastou até a folha,
onde eu estava a escrever!


Jorge Sousa Braga, Herbário (2002)


Palácio de Cristal, Dezembro

3 comentários :

Paulo Alves disse...

Linda luz. Excelente cenário. Lembra-me o tempo em que podemos exactamente ..ler.

Badala disse...

Que poema lindo e engraçado. O vento tem destas coisas...

siri disse...

Que linda imagem! O_O