5.1.07

Dendronudismo (2.ª lição)



Catalpa bignonioides - Jardim do Morro - Vila Nova de Gaia

Em contraste com o plátano, que não muda de personalidade conforme a estação do ano, a catalpa tem duas faces bem distintas, mas ambas perfeitamente reconhecíveis. Ela é talvez, de entre as árvores ornamentais comuns nos nossos jardins, a que apresenta folhas de maior tamanho: ovais e de ápice pronunciado, podem medir até 30 cm. As suas flores - brancas com manchas amarelas e roxas, delicadamente fragrantes, semelhantes na forma às do jacarandá (que pertence à mesma familia, a das Bignoniáceas) - ganham em ser vistas de perto, ao contrário das do seu primo tropical, que valem mais pelo conjunto. Os frutos da catalpa são falsas vagens, estreitas e muito compridas; levam um ano a amadurecer e atingem os 40 cm, permanecendo na árvore durante todo o Inverno. Essa profusão de «vagens» pendentes, lembrando pedaços de corda que algum brincalhão com infinita paciência se lembrou de pendurar nos galhos, permite-nos identificar sem hesitação a árvore despida. (Clique na foto da esquerda para ver melhor.)

A catalpa é originária dos EUA. É uma árvore de porte médio que desenvolve uma copa ampla, juntando assim ao valor ornamental a utilidade de uma boa sombra. Além dos exemplares no Jardim do Morro, em Gaia, encontramo-la do outro lado do rio bem representada no bairro Gomes da Costa, junto a Serralves, onde é usada na arborização de algumas ruas. No próprio Parque de Serralves há duas ou três bonitas catalpas; e, ainda no Porto, há outra, digna de realce pela sua envergadura, perto do largo do Padrão, na rua D. João IV.

4 comentários :

VN disse...

Ah, então é assim que se chamam essas senhoras que exibem longas vagens sobre o azul intenso dos céus de Inverno, catalpas! Mais uma curiosidade que este blogue me mata.

aldina disse...

Feliz Ano de 2007 a todos que mantêm este magnífico Blog!

Que este seja um ano com alguma da sabedoria infinita das árvores para bem de todos!

Até sempre

Paulo Araújo disse...

Obrigado pelos comentários.
Aldina: desejo-lhe um feliz 2007 cheio de (bem merecido!) sucesso.

Francisco Oliveira disse...

Também há algumas catalpas, maltratadas, no que foi a casa da família Cepêda. Digo "foi" porque já foi muito amputada e vai lá ser construída mais uma "urbanização". Esta casa fica no Porto, zona das Antas, e as catalpas estão na esquina das Ruas Oliveira Martins/Agostinho de Campos. Bom 2007.