13.1.07

Ilha

.


Avenida da Boavista- Porto, 11.01.2007

6 comentários :

Alexandre disse...

Vivo no campo, ainda que numa província, Leiria, com elevada densidade e caos populacional e urbanístico. Acabo, agora mesmo, de chegar da cidade de Tomar, cidade pequena e de matriz rural, longe da complexidade de uma Lisboa ou Porto. A minha pergunta é a seguinte: não obstante a limitação financeira, a dinâmica territorial, a tendência para a aglomeração humana, as exigências comerciais e a pré-determinação da coisa pública já feita, seria humanamente possível criar cidades agradáveis, em absoluta harmonia arquitectónica e funcional com a Natureza, estilo "Rivendel", a cidade dos Elfos de Tolkien? Ou é mera utopia conceptual e impossibilidade funcional e humana?

Anónimo disse...

Este pequeno jardim deve ter nascido duma utopia. Alguém que ama a Natureza, mesmo no alto dum prédio. Por aí adiante, pela avenida, tanto jardim abandonado, tanta árvore cortada ... Abç

Anónimo disse...

Que melhor uso se poderia inventar para um terraço? Aqui em Lisboa, onde as árvores servem para enfeitar planos de urbanização, mas depois são tratadas como ervas daninhas, talvez seja uma solução para ver se conservarmos algumas.

Mariposa Roja disse...

Já que as florestas de betão invadiram as nossas vidas só nos resta voltar aos jardins suspensos da Babilónia. Muitos parabéns pelo bonito blog Dias com Árvores.

Um abraço floral, Susana Neves

PS. Cara Manuela acabo de lhe enviar um email para conversármos sobre os jacarandás.

Carla de Elsinore disse...

e eu só descobri a árvore quase um ano depois de "habitar" o edifício. depois também a fotografei uma vez ou outra. tão pouco que olhamos para cima. :)

T disse...

Escondidos entre os arbustos, está o Robinson Crusoe e o Sexta Feira.
Excelentes fotos!