7.12.07

Coro-a-capela

Diz a experiência dos que cultivam plantas, ou as fotografam, que o amarelo é a cor preferida dos insectos, e as flores sabem disso. Em ambientes de competição mais renhida, ou de maior diversidade de polinizadores, as plantas optam por distinguir-se colorindo as pétalas/sépalas com outros tons atraentes, mas raramente esquecem uma gota de amarelo, nem que seja só no topo dos estames, o lugar do pólen.

O vermelho (coccineus em latim), vivo, trigueiro ou carmesim, vê-se menos, a não ser em bagas que assim previnem do seu carácter tóxico. Parece que as flores também conhecem a conotação pejorativa que as pessoas atribuíram a esta cor. Alguns exemplos, aqui reunidos para atestar a nossa culpa, são embaraçosos: a marca de erro numa correcção de um exame faz-se num humilhante vermelho; por imposição legal, os faróis de perigo, o semáforo que enerva os condutores e os avisos de proibição são vermelhos; a maioria dos elevadores - cuja função útil é a de ascender a carga porque a descer todos os santos ajudam - utiliza um triângulo vermelho para assinalar a descida; a coloração rosada repentina das maçãs-do-rosto é indício de vergonha, pecado ou fúria; e, em várias línguas, os revolucionários, os burocratas rígidos, as mãos criminosas, a situação deficitária de uma conta bancária são etiquetados de vermelho. Até a paixão, que desassossega ou escraviza, é poeticamente rubra. E no sinónimo encarnado há mesmo a alusão à luxúria, impura e sem alma.

Indiferente a esta maldição semântica, nesta época o país finge-se inocente e pinta-se de vermelho, acompanhado por diospiros, romãs, medronhos e azevinhos, e por certo ícone comercial muito popular entre a criançada. A Thunbergia coccinea colabora admiravelmente neste afã natalício. Trepadeira com longos ramos, originária da Índia, Birmânia e Malásia, tem folhas opostas emparelhadas (como mãos em oração) e floresce no Inverno. As flores de centro amarelo e gola escarlate enfeitam agora muros, lembrando palcos recheados de meninos de coro, de vozes sublimes a entoar melodiosos cânticos que enternecem corações. Mesmo os mais avermel... rebeldes.


Thunbergia coccinea

2 comentários :

bettips disse...

Completamente poética, a planta e a descrição. Fizeste-me colorir as faces com a brincadeitas das cores. Dizem que "no outro tempo" diziam os "encarnados" lá do clube, para evitar a palavrinha aguçada e especiosa. Abçs

António disse...

Mais um post que classificaria de excelente, distinguindo-o dos outros, sempre muito bons. Bom trabalho. A continuar.