26.12.11

Mercúrio na cidade


Mercurialis ambigua L. f.

A natureza na cidade é uma história de guerrilha e de infiltrações, de recuos e de avanços. Em países como o nosso, onde se tenta à força excluir o convívio entre o que é artificial e o que é espontâneo, não é em jardins e parques que cidade e natureza se reconciliam. A tira de relva enfeitada com magras árvores onde os cães levam os donos a passear é muito mais postiça do que um muro velho forrado de verdura. É na cidade roída pelo tempo, e não nos tristes jardins geométricos, que o naturalista citadino com mais proveito emprega o seu labor.

Para ilustrar cabalmente esse preceito, nada melhor que a mercurial ou erva-mercúrio (Mercurialis ambigua). Trata-se de uma erva com grande tradição na medicina popular, usada como purgante, vermífuga e diurética; é espontânea no nosso país, chegando a ser abundante em zonas nitrificadas e húmidas; e também no Porto se pode encontrar, mas nunca em jardins. Basta, porém, uma incursão às vielas e escadarias de Miragaia, da Sé ou da Vitória para a vermos despontar ocasionalmente entre tufos de erva-das-paredes (Parietaria judaica), fetos e cimbalárias.

As plantas do género Mercurialis são, por regra, dióicas: há indivíduos de cada um dos sexos, masculino ou feminino, com funções claramente atribuídas na missão de perpetuar a espécie. A Mercurialis ambigua, contudo, veio pôr em causa a ordem estabelecida ao optar por um modelo sexual caótico e fracturante. Ao masculino e feminino acrescentou um terceiro sexo, o das plantas hermafroditas, que combinam flores dos dois tipos. De resto, nem a M. ambigua nem qualquer uma das suas congéres exibem floração vistosa: as flores, além de minúsculas, não têm pétalas, reduzindo-se ao cálice esverdeado e a dezena e meia de estames (as masculinas) ou a dois estiletes (as femininas). As flores masculinas dispõem-se em glomérulos de 8 a 10 unidades ao longo de espigas, tal como se observa nas fotos; as femininas são menos numerosas, e juntam-se em grupos de duas ou três nas axilas das folhas. O fotógrafo, por inadvertência, não registou flores femininas nem indivíduos hermafroditas. Remediar o lapso dá-lhe bom pretexto para revisitar os becos esquecidos da cidade.

Sem comentários :