19.6.19

Louro de bico dourado



A costa norte de Tenerife, marcada por falésias abruptas, tem poucas praias para uso balnear. Aqui não chegaram (ainda?) os aldeamentos turísticos massificados que tomaram de assalto a costa sul da ilha, e a afluência de forasteiros é moderada. No entanto, as povoações sucedem-se continuamente, e não há pedaço de costa acessível ao visitante que não esteja marcado pela intervenção humana. Mas isso não significa que o coberto vegetal seja desinteressante: como sucede em quase toda a ilha (e na generalidade do arquipélago canário), a maioria das plantas que encontramos são nativas ou mesmo endémicas que se adaptaram ao destrutivo convívio humano. O Puertito del Sauzal é uma zona de fácil acesso, muito visitada, com caminhos pavimentados que podemos percorrer nas calmas, sempre à vista das rochas negras batidas pelo mar. O estacionamento é amplo, e o único inconveniente é a estrada íngreme até lá não permitir em muitos pontos o cruzamento de dois carros. O constante rodopio de visitantes não parece ter provocado, porém, mudanças muito notórias no elenco das plantas que enfeitam as falésias. Todas as plantas que aparecem na foto acima são cidadãs de pleno direito da ilha e daquele local: não há vislumbre de plantas exóticas ou infestantes. A intervenção humana é, neste caso, paradoxalmente revelada pelo aspecto natural e "intocado" da paisagem. Este lugar, apesar da intensa visitação, insere-se numa área de paisagem protegida, e é muito provável que a ausência de plantas indesejáveis se deva a um controlo activo.


Lotus maculatus Breitf.
A coroa de glória da Paisaje Protegido de la Costa de Acentejo, de que o Puertito del Sauzal faz parte, é uma planta leguminosa rasteira de flores douradas, pontiagudas, com laivos avermelhados, de seu nome Lotus maculatus, conhecida popularmente como pico de paloma. O mesmo nome popular é atribuído ao também tenerifenho Lotus berthelotii, com flores vermelhas, que apresenta um aspecto geral semelhante e vive (ou vivia) nas zonas montanhosas da ilha. A boa fortuna que os dois bicos-de-pomba (convertidos em bicos-de-papagaio para efeitos de exportação) alcançaram no mundo da jardinagem contrasta com o triste destino das suas populações naturais: no Atlas y Libro Rojo de la Flora Vascular Amenazada de España (datado de 2004), os dois Lotus foram considerados em "Perigo Crítico", e de facto ambos estão em grave risco de extinção na natureza. Os números referidos no Libro Rojo eram alarmantes: do Lotus maculatus sobrariam uns 10 exemplares, todos no Puertito del Sauzal, já que a planta desparecera do seu outro local conhecido de ocorrência (um dos ilhéus de Anaga); e o Lotus berthelotii, permanecendo embora em dois locais com uma vintena de exemplares em cada um deles, na prática já se teria extinguido se não tivessem sido realizadas acções de reforço populacional (todas as plantas existentes à data, excepto uma, provinham dessas acções).


Lotus maculatus Breitf.


A grande raridade destes Lotus na natureza não se deve apenas (nem talvez principalmente) às acções humanas directas ou indirectas. É sabido, por exemplo, que o Lotus berthelotii é auto-incompatível (o pólen de uma planta é incapaz de fecundar as flores da mesma planta) e que a produção de sementes viáveis é um evento raríssimo. Já o Lotus maculatus parece ser auto-compatível, mas a sua taxa de reprodução em ambiente natural é muito baixa. A estes problemas intrínsecos juntar-se-iam factores externos, que no caso do L. maculatus parecem ter sido mitigados: já não há rebanhos de cabras ou ovelhas a pastar na zona, e o acesso ao local onde se acolhe a planta foi condicionado. Na nossa ingenuidade, imaginávamos chegar lá sem problemas, bastando descer por um escadote de ferro preso à rocha para atingir o extremo do promontório. Mas um aviso (não podemos fingir que não entendemos castelhano) dizia que o acesso era só para pessoas autorizadas, e um helicóptero sobrevoando insistentemente as nossas cabeças parecia estar à espreita de um acto de desobediência da nossa parte para de imediato entrar em acção. Forçados a retroceder, acabámos por encontrar, a umas centenas de metros, uns exemplares do desejado Lotus maculatus protegidos por redes: pelo menos uma dúzia, e vigorosos, um deles tendo já saltado a vedação e crescendo sob o resguardo de um muro. Esse visível sucesso na reintrodução da planta em pequenos nichos favoráveis permite olhar o seu futuro com algum optimismo.

Sem comentários :